Clique e assine a partir de 9,90/mês

Bolsonaro irá novamente ao Nordeste em apoio à nova lei do gás

Visita ao Sergipe para inaugurar termelétrica e visitar fábrica tem pano de fundo a disputa entre setores pela lei que tramita com urgência na Câmara

Por Machado da Costa - Atualizado em 10 ago 2020, 18h10 - Publicado em 10 ago 2020, 13h11

O presidente Jair Bolsonaro visitará o Nordeste, novamente, no próximo dia 17 de agosto. Ele participará da inauguração da termelétrica do Porto de Sergipe, em Aracaju, além de visitar a Fábrica de Fertilizantes de Laranjeiras, reaberta na semana passada. Como pano de fundo da visita está a ofensiva do governo para a aprovação da nova lei do gás (PL 6.407), que está na Câmara. Será a terceira visita num intervalo de 50 dias que o presidente faz à região.

A primeira foi para inaugurar um trecho da transposição do Rio São Francisco, na semana de 24 de junho. A segunda, em 30 de julho, visitou Piauí e Bahia, em inaugurações de sistemas de abastecimento de água. A região é onde o presidente tem índices mais elevados de desaprovação.

O convite feito pelo deputado Laércio Oliveira (PP-SE) tem o objetivo claro de demonstrar força para aprovar a lei do gás, da qual é relator na Câmara. Além do presidente, uma comitiva de apoiadores do projeto também se fará presente. Entre os convidados está a Abrace, a associação de grandes indústrias eletrointensivas, presidida por Paulo Pedrosa, ex-secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, e um dos maiores patrocinadores do projeto.

ASSINE VEJA

A nova Guerra Fria Na edição desta semana: como a disputa entre Estados Unidos e China pode ser vantajosa para o Brasil. E mais: ‘Estou vivendo o inferno’, diz Marcelo Odebrecht
Clique e Assine

Fará falta, contudo, a Abegás, a associação de distribuidores de gás encanado, que é contra o projeto atual. A proposta da Abegás, presidida por Augusto Salomon, é criar a figura de termelétricas inflexíveis no interior do país, para justificar os investimentos em uma malha de gasodutos. Além disso, os que pedem mudanças no projeto do governo, como o consultor Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), afirmam que o projeto de lei incentiva a importação de gás e reduz a competitividade do gás do pré-sal, o que desperdiçaria uma oportunidade de ganhos para o país em investimentos e royalties.

O governo, na figura do ministro Paulo Guedes, já se posicionou de forma contrária a alterações na proposta. Mesmo que o projeto esteja em debate na Câmara, com um pedido de urgência aprovado, o governo tentará aprova-lo sem mudanças. Por isso, a ida de Bolsonaro ao Nordeste é um trunfo. A inauguração da termelétrica e a reabertura da fábrica de fertilizantes são vistas como os primeiros frutos das alterações que o governo produziu no setor, ao quebrar o monopólio da Petrobras por meio de mudanças infralegais na Agência Nacional do Petróleo (ANP) e por decisões do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O projeto, caso aprovado, consolidaria as mudanças impostas por essas instâncias administrativas.

Continua após a publicidade
Publicidade