Clique e assine com até 92% de desconto

Bolsonaro envia ao Congresso projeto sobre equilíbrio fiscal dos estados

Programa permitirá que unidades da federação possam ter mais crédito para pagar funcionários e fornecedores, desde que se comprometam com medidas de ajuste

Por Da redação Atualizado em 4 jun 2019, 10h36 - Publicado em 4 jun 2019, 09h51

O presidente Jair Bolsonaro encaminhou ao Congresso Nacional projeto de lei complementar que trata de Plano de Equilíbrio Fiscal (PEF) dos estados. A formalização do envio da matéria consta de mensagem presidencial publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira, 4.  

A publicação do Diário Oficial não traz o teor do projeto, que foi batizado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de “Plano Mansueto”, em referência ao secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. 

O PEF vinha sendo estruturado nos últimos meses pela equipe econômica e poderá dar um alívio de até 40 bilhões de reais em quatro anos aos governadores. O programa permitirá que estados façam um contrato no qual se comprometem a uma trajetória de ajuste fiscal e a União concede espaço para contratação de operações de crédito, por meio de aval a empréstimos.

  • Como contrapartida, o ente deverá aprovar leis que implementem medidas de ajuste fiscal, atendendo a pelo menos três das oito opções de medidas fornecidas pela proposta. Para que seja efetivada a liberação de recursos, é necessário que se observe o cumprimento das metas e compromissos previstos no PEF e do limite para despesa com pessoal.

    O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, já havia informado na semana passada que o (PEF) para Estados, de concessão de garantias da União para empréstimos feitos pelos governadores junto a bancos públicos e privados, havia sido finalizado há três semanas e seria encaminhado ao Congresso.

    Continua após a publicidade

    Segundo um comunicado do Palácio do Planalto, o projeto de lei complementar propõe também a criação do Programa de Acompanhamento e Transparência Fiscal (PAF Transparência), cuja adesão é voluntária e tem por finalidade aperfeiçoar a transparência dos dados financeiros e melhorar a coordenação da política fiscal dos entes subnacionais com a União.

    “Dessa forma, os entes com situação fiscal sustentável que optem por aderir ao programa serão beneficiados pela transparência adicional gerada, contribuindo para a manutenção de sua sustentabilidade fiscal”, disse a nota.

    O projeto de lei complementar envolve também proposta de alteração da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), para contribuir com a promoção do equilíbrio fiscal.

    O quarto pilar da proposta tem a ver com alterações que visam conceder ao ente federado a possibilidade de prolongar a limitação da despesa primária corrente para os dois exercícios subsequentes ao término do prazo inicialmente previsto, a fim de cumprir com as contrapartidas da renegociação de dívidas.

    (Com Estadão Conteúdo e Reuters)

    Continua após a publicidade
    Publicidade