Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bolsonaro diz que novo ministro tem carta branca para mexer na Petrobras

Quando questionado sobre possível troca de comando na empresa e sua privatização, o presidente deu a mesma resposta: "Pergunta para o Adolfo Sachsida"

Por Da Redação Atualizado em 16 Maio 2022, 11h15 - Publicado em 15 Maio 2022, 15h17

Depois de se queixar publicamente da Petrobras nas últimas semanas, o presidente e pré-candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) disse no início da tarde deste domingo, 15, que o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, tem “carta branca” para mexer no comando da empresa. Ao ser questionado duas vezes durante entrevista na Praça dos Três Poderes, em Brasília, se o presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, que ocupa o cargo há apenas um mês, será substituído, Bolsonaro afirmou: “Pergunta para o Adolfo Sachsida”.

Quando questionado se a possível privatização da Petrobras ficaria para este ano ou para 2023, o presidente novamente deu a mesmíssima resposta. Sachsida, ex-assessor do ministro da Economia Paulo Guedes, assumiu a pasta de Minas e Energia na última quinta-feira, 12, após a demissão do ministro Bento Albuquerque. As queixas frequentes de Bolsonaro à Petrobras se referem aos sucessivos aumentos de preços dos combustíveis. Antes da troca ministerial, Bolsonaro havia questionado publicamente o ministro e o próprio presidente da empresa sobre essa questão.

Antes de deixar a Praça dos Três Poderes e sair de moto para visitar uma feira de importados, na localidade do Guará, o presidente exaltou a missão de Sachsida e falou sobre possibilidade de troca de comando na Petrobras. “Ele é o ministro das Minas e Energia e trata disso. E deixo bem claro: todos os meus ministros, todos, sem exceção, dou carta branca para fazer valer aquilo que ele achar melhor para o seu ministério para atender à população”, afirmou Bolsonaro. Durante a entrevista, ainda emendou: ” Por favor, Petrobras não quebre o Brasil. A margem de lucro deles, eu falei, é um estupro.”

A atual política de preços da Petrobras, implementada durante o governo de Michel Temer, segundo Bolsonaro afirmou, poderá ser mudada caso o conselho da empresa decida. A variação de preços dos combustíveis está ligada diretamente a variação do dólar e da cotação internacional do preço do barril de petróleo. “A PPI (política de paridade de preços) não é uma lei, é uma resolução do conselho. Se o conselho achar que deve mudar, muda. Mas não pode a população como um todo sofrer essa barbaridade, porque atrelada ao preço dos combustíveis está a inflação”, completou Bolsonaro.

A subida dos combustíveis, impulsionada pela alta dos preços internacionais, já resultou na demissão de dois presidentes da Petrobras, Roberto Castello Branco e Joaquim Silva e Luna. Desde da posse do atual presidente da empresa, José Mauro Coelho, o diesel teve um reajuste de 8,9%.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)