Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsonaro assina projeto de lei da autonomia do Banco Central

Presidente firmou 18 medidas em cerimônia por 100 dias de governo. Em discurso, ele ecoou retórica de campanha e citou 'valores cristãos' e 'família'

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta-feira, 11, um Projeto de Lei Complementar que prevê a autonomia do Banco Central, uma de suas promessas de campanha. A medida foi uma das 18 firmadas por Bolsonaro na cerimônia dos 100 dias de seu governo, no Palácio do Planalto.

A autonomia do Banco Central é um tema polêmico, em função da perda de controle do governo sobre a política monetária do país, mas defendida como maneira de blindar de pressões políticas a atuação da instituição, que tem entre suas atribuições a definição da taxa básica de juros (Selic). Ao indicar o atual presidente do BC, o economista Roberto Campos Neto, Jair Bolsonaro já havia anunciado que o status dele de ministro seria provisório, até que a autonomia do Banco Central fosse aprovada.

Além do projeto que trata sobre a independência do BC, Bolsonaro assinou outros três textos que serão enviados ao Congresso: um que pretende disciplinar a indicação de dirigentes de instituições financeiras públicas e privadas, um que visa a garantir o direito à educação domiciliar e um que altera o Bolsa Atleta e a lei que cria os programas Atleta Pódio e Cidade Esportiva.

Outra medida assinada pelo presidente foi o “revogaço”, anunciado por Bolsonaro no Twitter como medida para anular 250 “decretos desnecessários que hoje só servem para dar volume ao nosso já inchado Estado e criar burocracias que só atrapalham”. Ao lado dos ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), Tereza Cristina (Agricultura) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde), o presidente também assinou um compromisso pela integridade pública.

Ao discursar na solenidade dos 100 dias do seu governo, Jair Bolsonaro ecoou a retórica de sua campanha e declarou que trabalha “com foco na valorização da família, nos valores cristãos e numa educação de qualidade sem viés ideológico”. Depois de o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, falar sobre “mar revolto” no atual momento do país, o presidente declarou que o “céu está de brigadeiro”.

Na fala de cinco minutos, depois de um balanço feito por Rêgo Barros, o presidente citou a importância da reforma da Previdência “no equilíbrio das contas públicas e nos futuros investimentos”, mas não se dirigiu diretamente ou apelou aos parlamentares que analisarão e votarão as mudanças nas aposentadorias no Congresso. Bolsonaro também destacou as viagens e parcerias com “grandes nações” e citou Estados Unidos, Chile e Israel.

Anunciado pelo governo entre as metas para os 100 dias e visto como trunfo do presidente para diminuir sua rejeição entre a população mais pobre, o lançamento do 13º salário do Bolsa Família não foi citado por Bolsonaro em seu discurso. A medida foi lembrada por Rêgo Barros entre as 35 metas prioritárias para a data cumpridas pelo governo. O porta-voz citou ainda a extinção de 21.000 cargos e funções gratificadas, o pacote anticrime enviado ao Congresso e concessões e leilões no setor de infraestrutura.

As 18 medidas assinadas por Jair Bolsonaro:

– Termo de compromisso com a integridade pública;

– Projeto de lei que altera o Bolsa Atleta e a lei que cria os programas Atleta Pódio e Cidade Esportiva;

– Projeto de Lei que dispõe sobre o exercício do direito à educação domiciliar;

– Projeto de Lei Complementar sobre autonomia técnica, operacional, administrativa e financeira do Banco Central;

– Projeto de Lei Complementar que dispõe sobre posse e exercício de cargos nos órgãos previstos no estatuto ou no contrato social de instituições financeiras públicas e privadas;

– Decreto sobre Infrações e sanções administrativas ao meio ambiente e estabelece o processo administrativo federal para apuração dessas infrações;

– Decreto que institui a política nacional de alfabetização;

– Decreto que regulamenta a política nacional do turismo, para desenvolver segmentos turísticos relacionados ao patrimônio mundial cultural e natural do Brasil;

– Decreto que dispõe sobre diretrizes para modificação de táxis e locadoras acessíveis a pessoas com deficiência;

– Decreto sobre o recebimento de doação de bens móveis e serviços de pessoas físicas ou pessoas jurídicas pelos órgãos e entidades da administração pública direta, autárquica e fundacional;

– Decreto que aprova a política nacional sobre drogas;

– Decreto que aprova os termos da minuta do aditivo ao contrato de cessão onerosa firmado entre a união e a Petrobras;

– Decreto que dispõe sobre a forma de tratamento e endereçamento nas comunicações com agentes públicos da administração pública federal;

– Decreto que extingue cargos efetivos vagos e que vierem a vagar nos quadros da administração pública federal;

– Decreto que extingue e estabelece diretrizes para colegiados da administração pública federal;

– Decreto que institui o Comitê Interministerial de Combate à Corrupção;

– Decreto que declara a revogação de decretos normativos (“revogaço”);

– Decreto que institui o portal unico.gov.br

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Mauro Barletta

    teste

    Curtir