Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsas na Europa fecham com direções opostas

Por Renan Carreira

Londres – As bolsas europeias fecharam em direções divergentes nesta quinta-feira, após o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, não oferecer pistas sobre mais afrouxamento monetário para a conturbada zona do euro e um indicador do setor de serviços dos Estados Unidos cair para o nível mais baixo desde dezembro.

O índice Stoxx Europe 600 terminou a sessão em alta de 0,05%, aos 257,53 pontos, depois de ter chegado aos 259,86 pontos mais cedo. O índice ficou em território positivo na maior parte do dia, mas começou a cair após o Instituto para Gestão de Oferta (ISM, na sigla em inglês) divulgar que a atividade dos gerentes de compra (PMI, em inglês) do setor de serviço dos EUA recuou para 53,5 em abril, de 56,0 em março. A leitura ficou abaixo da previsão dos analistas ouvidos pela Dow Jones, que esperavam uma retração para 55,5.

Na Europa, Draghi disse que o BCE não deve adotar novas medidas de estímulo em breve. “A percepção de que não haverá estímulos no curto prazo é correta”, afirmou. Ele comentou ainda que o conselho diretivo do BCE nem chegou a discutir a possibilidade de um novo corte na taxa básica de juros, que nesta quinta-feira foi mantida na mínima histórica de 1%.

Os bancos italianos foram fortemente atingidos. UniCredit recuou 4,65%, Banco Popolare caiu 4,59%, Monte dei Paschi di Siena registrou baixa de 3,58% e Intesa Sanpaolo teve queda de 3,12%. O FTSE MIB caiu 0,67%, para 14.118,13 pontos. Finmeccanica teve queda de 4,03% após a companhia divulgar uma mensagem decepcionante em relação a uma esperada venda de ativos.

Em Madri, o índice Ibex 35 subiu 0,29%, a 6.851,90 pontos, após o país realizar um leilão. Apesar de o custo de financiamento da Espanha ter aumentado, os papéis atraíram demanda forte e o governo conseguiu vender levemente acima do valor máximo pretendido. O Tesouro Espanhol ofereceu entre 1,5 bilhão de euros e 2,5 bilhões de euros em bônus, e vendeu um total de 2,516 bilhões de euros. No entanto, os bancos espanhóis foram na mesma toada de seus pares europeus e caíram. Banco Popular Español registrou baixa de 2,4% e BBVA recuou 1,1%.

Na França, os bancos também tiveram quedas, com o BNP Paribas perdendo 3,2%, Crédit Agricole caindo 3% e o Société Générale recuando 4,2%. O índice CAC 40, da Bolsa de Paris, teve queda de 0,09%, para 3.223,36 pontos.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX caiu 0,24%, fechando a 6.694,44 pontos, pressionado por Commerzbank (-3,6%) e Deutsche Bank (-2,6%). Por outro lado, BMW subiu 0,9% após seu lucro do primeiro trimestre subir 18%, superando as expectativas.

Em Londres, o índice FTSE teve alta 0,15%, a 5.766,55 pontos. Smith & Nephew subiu 3,9% após divulgar seus resultados. Por outro lado, Antofagasta caiu 4,4% e Randgold Resources registrou queda de 3,7% depois de anunciarem seus números. Rio Tinto caiu 2,2% e Kazakhmys recuou 2,9%.

Em Portugal, o índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, registrou queda de 0,08%, para 5.179,33 pontos. As informações são da Dow Jones.