Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsas de NY em alta para abertura após de indicadores

Por Luciana Antonello Xavier

Nova York – As bolsas de Nova York se mantêm em alta para abertura do pregão desta quinta-feira após a divulgação de uma bateria de indicadores, entre eles a primeira revisão do PIB dos Estados Unidos, que vieram para animar, mas também não conseguiram piorar o humor do investidor. Após os dados, o S&P acentuou levemente os ganhos, enquanto o Dow reduziu um pouco a alta. Na agenda doméstica americana, esta quinta-feira ainda prevê a divulgação, às 10h45, do índice ISM de Chicago em maio. Às 10h15 (de Brasília), no mercado futuro, o Dow Jones subia 0,17%, o S&P 500 avançava 0,24% e o Nasdaq subia 0,05%.

Entre os indicadores divulgados hoje, a taxa de expansão do PIB dos EUA no primeiro trimestre foi revisada para baixo, de 2,2% no resultado preliminar para 1,9%, mas veio dentro das estimativas dos analistas. O índice de preços do PCE do primeiro trimestre não foi revisado, mantendo a alta de 2,4% apurada preliminarmente, assim como o núcleo, que subiu 2,1%.

O mercado de trabalho americano se mostra resistente a uma recuperação mais consistente, o que não chega a ser bom agouro em véspera de payroll. O número de pedidos de auxílio-desemprego subiu 10 mil, para 383 mil, na semana passada, contrariando expectativa de analistas de estabilidade em 370 mil. O número da semana anterior foi revisado de 370 mil para alta de 373 mil. Já o setor privado americano criou 133 mil empregos em maio ante abril, segundo o relatório da ADP/Macroeconomic Advisers, frustrando expectativa de analistas de criação de 150 vagas.

A Europa segue em seu mar de incertezas, mas mesmo assim o euro hoje encontra forças para operar em leve alta e subia a US$ 1,240 nesta manhã, de US$ 1,2367 no fim da tarde de ontem.

Hoje, a Fitch Ratings rebaixou oito comunidades autônomas da Espanha e colocou as perspectivas para as notas como negativas. A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse que a Comissão Europeia precisa de mais poderes para combater a crise, mas reforçou sua posição contrária à criação de eurobônus e voltou a defender maior integração fiscal entre os países do bloco.

No noticiário corporativo, as ações da rede social Facebook subiam 1,6% no pré-mercado após terem atingido uma nova mínima na quarta-feira, a US$ 28,19 no fechamento do pregão da Nasdaq, com queda acumulada de 26% desde a oferta inicial de ações da companhia.