Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bolsas de NY devem abrir em baixa puxadas pela Grécia

Por Da Redação
23 Maio 2012, 10h28

Por Luciana Antonello Xavier, correspondente

Nova York – O medo de uma saída desordenada da Grécia da zona do euro e do que isso pode acarretar para o resto do mundo cresce a cada dia e deve segurar as bolsas de Nova York no terreno negativo na abertura do pregão desta quarta-feira, enquanto os mercados aguardam a reunião dos líderes europeus, em Bruxelas. Às 10h15 (horário de Brasília), no mercado futuro, o Dow Jones caía 0,50%, o S&P 500 tinha queda de 0,58% e o Nasdaq perdia 0,48%.

Na agenda do dia nos EUA o destaque são os dados sobre vendas de imóveis residenciais novos em abril, que saem às 11h. Esta semana, o economista Robert Shiller, da Universidade de Yale, disse que deverá levar anos para o mercado imobiliário americano se recuperar. “Prefiro não me apressar para chegar a conclusões de que o nosso mercado vai subir tão cedo”, disse à AE, em Nova York.

O euro segue em queda diante do risco de que peças no dominó da zona do euro comecem a cair, começando pela Grécia. Na manhã desta quarta-feira, o euro caía a US$ 1,2675, de US$ 1,2684 no fim da tarde de terça-feira. O índice do dólar subia 0,16%, a 81,623. O Citigroup estimou, também na terça-feira, que caso haja uma saída desordenada da Grécia da zona do euro a moeda europeia poderia atingir US$ 1,01, embora tenham deixado claro que esse ainda não é o cenário básico do banco.

O presidente eleito na França, François Hollande, disse nesta quarta-feira que o sistema financeiro precisa de mais liquidez e que o crescimento precisa ser colocado na agenda. Já o ex-primeiro-ministro da Grécia Lucas Papademos admitiu na terça-feira que o risco de a Grécia deixar o euro é real e declarou que o país não tem outra opção a não ser cumprir o plano de austeridade fiscal como querem seus credores.

Continua após a publicidade

No pré-mercado, as ações do Facebook subiam 2,26%, a US$ 31,70, bem abaixo do preço de abertura na estreia na Nasdaq, na última sexta-feira, de US$ 38 por ação.

Os papéis da Dell despencavam 13,1%, após os resultados do primeiro trimestre fiscal da companhia terem ficado abaixo das estimativas. A fabricante de computadores pessoais teve um lucro líquido US$ 0,36 por ação de fevereiro a abril, abaixo de US$ 0,50 por ação um ano antes e menos que a previsão de analistas de lucro de US$ 0,41 por ação.

As ações do JPMorgan caíam 1,23%. Ontem, o Conselho de Supervisão da Estabilidade Financeira dos EUA (FSOC) recebeu o primeiro informe sobre as perdas de mais de US$ 2 bilhões em operações com derivativos sofridas recentemente pelo banco.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.