Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsas da Europa fecham em queda

Por Renan Carreira

Londres – As bolsas europeias fecharam em queda nesta terça-feira, já que o impasse político na Grécia alimenta temores de mais turbulência econômica na zona do euro. O índice de ações grego caiu para o menor nível em quase duas décadas. O índice Stoxx Europe 600 terminou a sessão em baixa de 1,67%, aos 250,58 pontos.

Porém, nem tudo são sombras na Europa. As ações do Royal KPN subiram 17% após a empresa de telecomunicações mexicana America Movil informar na segunda-feira que planeja aumentar sua participação na companhia holandesa para 28%. A America Movil ofereceu 8 euros por ação.

Em última instância, no entanto, os mercados europeus encerraram a sessão em forte queda por causa do impasse político na Grécia após as eleições no último domingo. O pleito trouxe preocupações sobre mais turbulência para o endividado país.

Em Atenas, o líder da Nova Democracia, Antonis Samaras, disse na segunda-feira que era impossível formar um governo de coalizão. Com isso, abriu-se uma porta para o segundo maior partido, a Coalizão de Esquerda Radical (Syriza), que prometeu renegociar as condições dos resgates para a nação. O ASE, da Bolsa de Atenas, caiu 3,62%, fechando a 620,54 pontos, no menor nível desde novembro de 1992. National Bank of Greece recuou 8,4%. O índice grego havia fechado ontem em queda de 6,7%.

Os bancos também registraram baixas na França, com BNP Paribas (-3,79%), Société Générale (-4,75%) e Crédit Agricole (-2,61%). O índice CAC 40, da Bolsa de Paris, caiu 2,78%, para 3.124,80 pontos. EDF fechou em baixa de 3,26% após seus papéis serem rebaixados pelo Goldman Sachs e com a eleição de François Hollande para a presidência da França percebida como algo de possível impacto sobre ativos nucleares, tarifas e no valor do grupo.

Total recuou 2,91% com queda do preço do petróleo e em meio à promessa da campanha de Hollande de congelar o preço dos combustíveis na bomba. France Telecom encerrou a sessão estável e Bouygues subiu 0,75%.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX caiu 1,90%, fechando a 6.444,74 pontos. Infineon recuou 3,95% e BMW teve queda de 3,85%. Por outro lado, Deutsche Telekom registrou alta de 0,61%, com ganhos de ações de telecomunicações pela Europa após a America Movil oferecer elevar sua participação na Royal KPN. Commerzbank caiu 3,42% e Deutsche Bank recuou 2,50%.

Em Madri, o índice Ibex 35 recuou 0,80%, a 7.006,90 pontos. IAG teve baixa de 7%, liderando as perdas, após a Lufthansa fornecer uma perspectiva pessimista para o ano. ACS caiu 5,3% após a unidade alemã Hochtief reportar prejuízo no primeiro trimestre. Bankia registrou baixa de 4,8% em meio a incertezas após o presidente da instituição, Rodrigo de Rato, renunciar ao cargo.

O FTSE MIB, da Bolsa de Milão, teve baixa de 2,37%, para 13.936,70 pontos. A2A caiu 7% e Saipem recuou 5,4%. Os bancos também registraram quedas. UniCredit teve baixa de 2,1% e Intesa Sanpaolo caiu 3,6%.

Em Londres, o índice FTSE caiu 1,78%, fechando a 5.554,55 pontos. Fresnillo teve baixa de 7,4%, Vedanta Resources recuou 5,6% e Rio Tinto registrou queda de 3,3%. HSBC Holdings caiu 1,2%.

Por outro lado, em Portugal, o índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, registrou alta de 0,88%, para 5.261,07 pontos. As informações são da Dow Jones.