Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bolsas da Europa fecham em alta, puxadas por bancos

Por Da Redação
13 set 2011, 14h35

Os bancos estavam entre os que tiveram melhores desempenhos, após fortes quedas no pregão desta segunda

Os principais índices de ações da Europa fecharam em alta nesta terça-feira, após uma sessão muito volátil, com os papéis de bancos anteriormente pressionados puxando o mercado para cima. O índice Stoxx Europe 600 subiu 0,89%, para fechar em 220,87 pontos. Mais cedo na sessão, esse índice chegou a cair 1,5%, atingindo seu nível mais baixo desde julho de 2009.

Os bancos estavam entre os que tiveram melhores desempenhos, após fortes quedas no pregão desta segunda-feira. As ações do Société Générale saltaram 15%, após seu executivo-chefe, Frederic Oudea, dizer que o banco tem um grande colchão de liquidez e que as quedas nos mercados estavam baseadas em “medos irracionais”. As ações do Société Générale haviam caído 11% na sessão anterior, em parte pelo temor de que o banco fosse rebaixado pela agência de classificação de risco Moody’s. Nos últimos três meses, as ações do Société Generale caíram mais de 54%.

As ações do BNP Paribas subiram 7,2%, após recuarem até 12% durante a sessão. O banco “negou categoricamente” alegações feitas por uma fonte anônima ao Wall Street Journal de que ele teria problemas de liquidez.

Continua após a publicidade

O índice CAC 40, da Bolsa de Paris, subiu 1,41%, a 2.894,93 pontos. Na Espanha, o Ibex-35 fechou em alta de 2,53%, a 7.834,20 pontos, enquanto a Bolsa de Lisboa avançou 0,63%, chegando a 2.264,82 pontos.

“Não há fatos sérios, sólidos. É apenas rumor e blefe”, disse o estrategista de mercado David Jones, do IG Index, comentando o cenário atual. Segundo ele, a incerteza deve continuar até que mais ações sejam tomadas pela Grécia ou até o encontro do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, o comitê de política monetária do Federal Reserve), na próxima semana.

Também nesta terça-feira, notícias de que a China poderia comprar títulos da dívida da Itália ajudaram os mercados. As ações da UniCredit SpA subiram, fechando em alta de 7,4%, enquanto o índice da Bolsa de Milão, o FTSE MIB, avançou 2,19%, em 13.769,44 pontos.

Continua após a publicidade

Entre outras ações em foco, as da Cairn Energy caíram 8,2% em Londres, após o grupo de exploração de petróleo e gás informar que se preparava para abandonar o poço Greenland, onde não foi encontrado petróleo. O índice do Reino Unido FTSE 100 subiu 0,87%, batendo em 5.174,25 pontos, puxado por um aumento de 5,3% no Royal Bank of Scotland.

Na Alemanha, o índice Xetra DAX subiu 1,85% na Bolsa de Frankfurt, fechando em 5.166,36 pontos. O Deutsche Bank avançou 8,2%, em meio a fortes ganhos da maior parte do setor bancário.

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.