Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsas da Europa caem após fala de líderes locais

Por Clarissa Mangueira

Londres – As bolsas europeias fecharam em queda, na sua maioria, pela sexta sessão consecutiva, após comentários dos líderes da zona do euro desapontarem investidores. Os mercados registraram um baixo volume de negociação em razão do feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, que manteve as bolsas do país fechadas. O índice Stoxx Europe 600 caiu 0,33%, para 219,98 pontos, e já acumula queda de 5,3% até agora na semana.

A maior parte das bolsas europeias reverteu seus ganhos iniciais após o presidente da França, Nicolas Sarkozy, dizer a repórteres, depois de se reunir com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, o primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, que eles respeitam a independência do Banco Central Europeu (BCE) e de que não fará exigências sobre a instituição enquanto tentam resolver a crise da dívida soberana.

A Merkel criticou novamente os pedidos para a emissão de eurobônus, afirmando que taxas de juros comuns para todos os tomadores de empréstimos da zona do euro enviariam um “sinal errado”.

“O mercado tinha esperanças muito altas sobre a reunião agendada entre Sarkozy, Monti e Merkel”, afirmou o economista-chefe do Saxo Bank, Steen Jakobsen. “A França não está em posição de exercer pressão sobre Merkel. A única grande coisa que Sarkozy precisa fazer é a de não colocar pressão sobre o rating AAA (da França) antes da eleição.”

No início do dia, os mercados europeus registraram ganhos após a divulgação do índice IFO, que mede a confiança das empresas da Alemanha. O índice subiu para 106,6 em novembro, bem melhor do que a previsão de queda para 105,1. O índice DAX 30, Bolsa de Frankfurt fechou em queda de 0,54%, aos 5.428,11 pontos.

Em Lisboa, o índice PSI 20 declinou 0,85%, para 5.185,10 pontos, conduzido pelas ações do Banco Comercial Português, que declinaram 9,4%. As perdas ocorreram após a agência de classificação de risco Fitch ter rebaixado o rating do país para o status junk, com perspectiva negativa. Além disso, uma greve nacional atingiu os serviços públicos do país hoje, em meio a um quadro de crescente descontentamento com medidas de austeridade impostas pelo governo, em troca de um pacote de ajuda de 78 bilhões de euros.

O índice CAC 40, da Bolsa de Paris, encerrou virtualmente inalterado (-0,01%), aos 2.822,25 pontos. Entre os bancos, BNP Paribas (+3,3%) e Société Générale (+3%). As ações da Vallourec subiram 6%, após a recomendação para os papéis da fabricante francesa de tubos de aço ter sido elevada de “equalweight” para “overweight” pelo Morgan Stanley. Os papeis da Air France-KLM ganharam 10% após o Société Générale elevar sua recomendação para os papéis da empresa de “vender” para “manter”.

Em Bruxelas, as ações do banco franco-belga Dexia subiram cerca de 28%, embora acumulem queda de 86% até agora no ano. O índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, cedeu 0,2%, para5.127,57 pontos, pelo nono dia consecutivo. No setor petroleiro, BP (-1,4%) eRoyal Dutch Shell (-1,7%). Entre os bancos, Royal Bank of Scotland Group (+3,6%) e Barclays (+3,1%).

Na Espanha, o índice Ibex 35 fechou em -0,23%, em 7.721,80 pontos. Em Milão, o FTSE MIB registrou alta de 0,03%, para 13.920,58 pontos. As informações são da Dow Jones.