Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsas da Ásia fecham em campos mistos

Por Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos

Tóquio – A maioria dos mercados asiáticos fechou no campo positivo nesta quarta-feira, estimulados por fatores locais. Mas os investidores seguiram andando de lado, ainda por conta do feriado do ano novo chinês nas principais bolsas regionais, como Hong Kong, China e Taiwan.

No retorno após dois dias de feriado, a Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, fechou em leve alta. O índice Kospi avançou 0,12% e terminou aos 1.952,23 pontos, com compras de investidores estrangeiros que compensaram a realização de lucros feita por instituições e investidores de varejo.

A Bolsa de Sydney, na Austrália, encerrou em alta liderada por ações financeiras, após a divulgação de dados sobre a inflação doméstica aumentar as possibilidades de corte de juros pelo BC australiano. O índice S&P/ASX 200 avançou 1,11% e terminou aos 4.271,30 pontos, estendendo os ganhos após a divulgação de relatório que mostrou o índice de preços ao consumidor inalterado no 4º trimestre de 2011, na comparação com o trimestre anterior.

Já a Bolsa de Manila, nas Filipinas, fechou em queda novamente por conta da realização de lucros. O índice PSE caiu 0,9% e terminou aos 4.670,49 pontos.

A Bolsa de Cingapura terminou em forte alta, com a expectativa de que China irá introduzir mais políticas econômicas de estímulo para dar apoio ao apetite por papéis cíclicos, como os dos setores de transporte e commodities. O índice Straits Times avançou 1,5% e fechou aos 2.891,64 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, recuou 0,8% e fechou aos 3.963,60 pontos, afetado por vendas por estrangeiros de papéis de blue chips que tiveram recentes ganhos.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, cedeu 0,34% e fechou aos 1.059,51 pontos.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, recuou 0,2% e fechou aos 1.519,76 pontos, afetado pelas baixas em papéis do setor financeiro por causa de preocupações com a dívida da Grécia. As informações são da Dow Jones