Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bolsas asiáticas caem após prisão de chefe do FMI

Apesar de o fundo afirmar que a detenção não prejudica as negociações sobre a dívida europeia, os investidores demonstraram preocupação

Por Da Redação 16 Maio 2011, 08h48

As bolsas de valores asiáticas reagiram à prisão do diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, e fecharam em baixa, nesta segunda-feira. O dólar se fortaleceu, com preocupações crescentes sobre uma possível reestruturação de dívida na zona do euro. Apesar de o FMI afirmar que a detenção não vai prejudicar as negociações para evitar uma piora na crise de dívida europeia, os investidores demonstram preocupação com as consequências do escândalo que envolve o número um do fundo.

A prisão de Strauss-Kahn aconteceu quase na véspera de uma série de novas negociações sobre como lidar com a crise do bloco monetário europeu. O diretor-gerente do FMI deveria reunir-se com a chanceler alemã, Angela Merkel, no domingo, e juntar-se ao encontro de ministros das Finanças da zona do euro nesta segunda-feira para discutir os problemas europeus.

Em Tóquio, o índice Nikkei caiu 0,94 por cento, com os bancos registrando as maiores perdas. A bolsa da Austrália recuou 1,3 por cento. As ações da Whitehaven Coal desabaram cerca de 12 por cento. A companhia cancelou uma venda depois que um leilão de cinco meses não conseguiu encontrar um comprador no preço certo.

O índice de Seul caiu 0,75 por cento. Em Hong Kong, o mercado recuou 1,36 por cento e a bolsa de Taiwan perdeu 1,05 por cento, enquanto o índice referencial de Xangai teve baixa de 0,77 por cento. Cingapura encerrou em queda de 0,86 por cento.

Tendo subido mais de 4 por cento em menos de duas semanas, o dólar ampliou a valorização com a ajuda das oscilações violentas das commodities e dos problemas da zona do euro.

A demanda menor por ativos mais arriscados também estava evidente nos mercados de commodities e nas moedas asiáticas, que perdiam valor enquanto ativos considerados mais seguros avançavam, como os títulos do Tesouro dos Estados Unidos e os bônus japoneses.

Calma – Nesta segunda-feira, um porta-voz da Comissão Europeia reforçou a tese de que a detenção do diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, acusado de agressão sexual, não deve afetar os planos de ajuda financeira para os países da Eurozona, dos quais o organismo com sede em Washington participa.

“Temos plena confiança de que haverá uma continuidade nas operações e na tomada de decisões no FMI”, destacou o porta-voz. O escândalo “não deve ter nenhum impacto sobre os programas de ajuda para Grécia, Irlanda e Portugal”, acrescentou, antes de uma importante reunião da Eurozona em Bruxelas sobre a crise da dívida soberana da qual o diretor gerente do FMI deveria participar. No domingo, porém, autoridades gregas já haviam demonstrado a preocupação de que o caso possa retardar a aprovação de um novo resgate.

(Com agências Reuters e France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês