Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsa tem sexta alta consecutiva em dia de divulgação de balanços

Pregão foi marcado por volatilidade e giro financeiro chegou a 24,27 bilhões de reais

O principal índice da Bovespa teve seu sexto pregão de alta consecutivo nesta quarta-feira, em um dia marcado por volatilidade e alto giro financeiro, de 24,47 bilhões de reais, o maior desde junho do ano passado. O Ibovespa fechou com alta de 0,58%, a 50.895 pontos. Após ter aberto a sessão em queda, o índice chegou a avançar 1,5% durante a tarde, zerou os ganhos e voltou a subir.

Nesta sessão, os dados mostrando que as economias da Alemanha e da França cresceram mais rápido que o esperado no segundo trimestre colaboraram para um clima mais positivo. “O fato do crescimento dessas economias ter superado as estimativas dá sinais de uma recuperação na zona do euro”, afirmou o operador Carlos Nielebock, da Icap Corretora. Assim, o índice deu continuidade aos ganhos das cinco últimas sessões, reduzindo sua defasagem em relação às bolsas norte-americanas, em meio a notícias positivas do cenário externo, principalmente da China.

Em agosto, o índice acumula alta de 5,52%, tendo diminuído sua queda em 2013 para 16,5%. “Também ajudaram nos ganhos recentes o fato de os balanços de grandes empresas como Petrobras, Vale e os bancos não terem decepcionado, dando suporte para o índice no curto prazo”, afirmou o analista Felipe Rocha, da Omar Camargo Corretora.

Leia ainda: Sem leilão do BC, dólar sobe a R$ 2,32 pela primeira vez em 4 anos

Entre os papéis que puxaram o índice para cima nesta quarta estavam Petrobras, PDG Realty e Usiminas. ALL foi outro destaque de alta, depois de a Cosan ter afirmado que pôs fim às negociações para comprar ações da empresa de transporte ferroviário sem que o acordo se concretizasse. A notícia aliviou temores do mercado que associavam a entrada da Cosan no bloco a uma mudança na governança da ALL. “Existia a preocupação de que houvesse um aumento muito grande de investimentos, principalmente neste ano, em que a ALL deve passar a ter um fluxo de caixa positivo”, afirmou Rocha, da Omar Camargo Corretora.

Empresas do grupo EBX também se destacaram, principalmente a LLX, refletindo informações sobre uma possível venda de ativos para o fundo de Abu Dhabi Mubadala Development Co. Participantes do mercado voltaram as atenções para resultados corporativos, como os da Oi. Os papéis da operadora de telecomunicações recuaram com força após a empresa reverter resultados positivos e anunciar prejuízo líquido de 124 milhões de reais no segundo trimestre, número mais fraco que o esperado.

Nos EUA, as bolsas fecharam em queda nesta quarta-feira, em um mercado dominado pela prudência em meio às especulações sobre o rumo da política monetária nos Estados Unidos. O índice Dow Jones caiu 0,74%, a 15,17 pontos; o Nasdaq, 0,41%, a 3.669,27 pontos; e o S&P 500 teve queda de 0,54%, a 1,685 pontos.

Leia também:

Brasil: clima econômico só não é pior que na Venezuela e Argentina

Prejuízo de R$ 124 milhões da Oi surpreende mercado

(com agência Reuters)