Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bolsa fecha no melhor nível desde gravações com Temer

Ibovespa fechou o dia com alta de 0,93%, aos 67.135 pontos, maior patamar desde 17 de maio; dólar comercial terminou o dia em queda

Por Da redação
Atualizado em 2 ago 2017, 20h24 - Publicado em 2 ago 2017, 18h12

O Índice Bovespa (Ibovespa) teve nesta quarta-feira, 2, sua quinta alta consecutiva, desta vez embalado pela expectativa de vitória folgada do presidente Michel Temer na votação da denúncia contra ele na Câmara dos Deputados. Na prática, a rejeição à abertura de inquérito contra o presidente é vista como um passo importante para viabilizar a aprovação da reforma da Previdência neste ano, algo que vinha sendo praticamente descartado nas previsões dos analistas.

O índice chegou a alternar altas e baixas pela manhã, mas consolidou a tendência de positiva no início da tarde, quando o quórum mínimo de 342 deputados presentes no plenário da Câmara foi atingido pela primeira vez. Ao final dos negócios, o índice marcou 67.135,99 pontos, em alta de 0,93%. Os negócios somaram 9,6 bilhões de reais.

O dólar comercial encerrou o dia com queda 0,20%, a 3,1197 reais.

Com a chegada ao patamar dos 67 mil pontos, o indicador está próximo de anular os efeitos da crise política deflagrada na noite do dia 17 de maio. Naquele dia, o índice havia fechado em 67.540 pontos.

Continua após a publicidade

A alta do dia foi influenciada principalmente pelas ações da Petrobras e dos bancos, que voltaram a subir em bloco. No caso da estatal petrolífera, contribuíram a alta dos preços do petróleo no mercado internacional e a percepção positiva com o cenário político doméstico. Ao final dos negócios, Petrobras ON teve alta de 2,56% e Petrobras PN ganhou 2,97%. Entre os bancos, o destaque foi Banco do Brasil, que avançou 4,03%. A ação do BB vem subindo nos últimos pregões por causa da expectativa positiva pelo balanço do segundo trimestre, mas também teria refletido hoje a melhora da percepção política.

“O cenário político influenciou bastante os negócios hoje, porque o mercado voltou a considerar a possibilidade de o governo retomar as discussões em torno da reforma da Previdência”, disse William Castro Alves, diretor da Valor Gestora de Recursos. O analista ressalta ainda os sinais de melhora observados em julho, quando o Ibovespa subiu 4,8%. “O mês de julho foi bastante positivo e com ingresso de R$ 3 bilhões em recursos externos e indicação de resultados corporativos melhores”, afirma o profissional.

Continua após a publicidade

Com as cinco altas consecutivas até agora, o Ibovespa teve ganho acumulado de 3,27%. Com isso, passa a contabilizar alta de 11,47% em 2017. As análises gráficas apontam manutenção da tendência de alta do Ibovespa, que teria como alvo os 69.500 pontos, pico intraday do ano.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.