Clique e assine a partir de 8,90/mês

BOLSA EUA-NY tem rali no final por notícias positivas da Europa

Por Da Redação - 18 out 2011, 18h34

(Texto atualizado com mais detalhes e comentário de profissional do mercado)

Por Angela Moon

NOVA YORK, 18 de outubro (Reuters) – As bolsas de valores dos Estados Unidos intensificaram a alta perto do fechamento desta terça-feira, com investidores usando outra notícia sobre um acordo para fortalecer o fundo de resgate da zona do euro como argumento para voltarem a comprar ações com força.

Todos os três principais índices tiveram forte alta, após o jornal britânico The Guardian reportar que França e Alemanha vão aumentar o fundo de resgate da zona do euro para 2 trilhões de euros, como parte de um plano para resolver a crise de dívida da zona do euro.

O índice Dow Jones, referência da Bolsa de Nova York, avançou 1,58 por cento, para 11.577 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 1,63 por cento, para 2.657 pontos. O índice Standard & Poor’s 500 ganhou 2,04 por cento, a 1.225 pontos.

Continua após a publicidade

Investidores se apegaram às ações do setor financeiro, que começaram o dia em baixa, mas ganharam ritmo com a notícia.

Os papéis do Bank of America dispararam 10,1 por cento, enquanto o volume negociado nas ações da Direxion Financial Bull 3X ETF saltou ao maior nível desde abril de 2010.

O noticiário da Europa é “realmente o que motivou o rali nas últimas duas semanas, antes de a Alemanha ontem sinalizar que a questão ainda não está bem resolvida”, disse o operador sênior de ações da Cabrera Capital Markets Larry Peruzzi, em Boston.

“Mas a direção do mercado pode facilmente reverter se tivermos algo ruim novamente da Europa.”

As ações do Bank of America operaram em queda mais cedo, após o banco anunciar lucro líquido no terceiro trimestre, mas mostrar que seus principais negócios tiveram dificuldades conforme a renda com empréstimos e bancos de investimentos caiu.

Os papéis do Goldman Sachs dispararam 5,5 por cento, depois de o banco reportar um raro prejuízo. Mas o Goldman disse que cortará custos, incluindo pagamentos de funcionários.

Continua após a publicidade
Publicidade