Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

BOLSA EUA-Índices recuam, de olho em relatório sobre emprego

(Texto atualizado com mais informações após o fechamento oficial)

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK, 1o de dezembro (Reuters) – Os principais índices do mercado acionário norte-americano apresentaram pouca força na sessão desta quinta-feira após os expressivos ganhos da sessão anterior.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 0,21 por cento, para 12.020 pontos. O índice Standard & Poor’s 500 teve desvalorização de 0,19 por cento, para 1.244 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,22 por cento, para 2.626 pontos.

Tanto o Dow quanto o S&P 500 recuaram e o Nasdaq encerrou com ligeiro ganho. Na quarta-feira, o mercado registrou um rali de mais de 4 por cento devido a um acordo de bancos centrais cuja meta é fornecer empréstimos em dólar mais baratos aos bancos europeus.

O humor do mercado foi amparado por dados mais fortes que o esperado sobre a atividade industrial norte-americana. O dado da indústria foi divulgado um dia após informações sobre postos de trabalho do setor privado também superarem previsões. Novos ganhos podem ser motivados por um salto expressivo na criação de novos postos de trabalho em novembro.

“Nesse momento estamos definitivamente esperando um número de empregos melhor”, disse David Lutz, operador da Stifel Nicolaus Capital Markets, em Baltimore.

Espera-se que a economia dos Estados Unidos tenha gerado 122 mil empregos em novembro. Alguns investidores preveem que um número ainda melhor que o do Departamento do Trabalho não será o bastante para justificar mais atividade da ala compradora.

“Não acredito que as pessoas estejam empolgadas com 150 mil (novos postos de trabalho) depois de quatro anos dessa crise econômica ter começado”, disse Chad Morganlander, gerente de portfólio na Stifel, Nicolaus & Co, em Nova Jersey.

Apesar da importância do dado sobre emprego, o mercado ainda se focará nos custos do crédito de países da zona do euro. Os rendimentos de bônus dos governos de Espanha e França caíram após leilões nesta quinta-feira, mas o alívio pode ser breve sem uma solução à vista para a crise.