Clique e assine a partir de 9,90/mês

BOLSA EUA-Grécia leva Wall St para perto da máxima em 7 meses

Por Da Redação - 13 fev 2012, 19h20

(Texto atualizado com informações após fechamento)

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK, 13 Fev (Reuters) – O mercado de ações dos Estados Unidos fechou em alta nesta segunda-feira, com o S&P 500 perto da máxima em sete meses, após o Parlamento da Grécia aprovar reformas necessárias para qualificar o país a um resgate e evitar um calote catastrófico.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,57 por cento, para 12.874 pontos. O índice Standard & Poor’s 500 teve valorização de 0,68 por cento, para 1.351 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,95 por cento, para 2.931 pontos.

Continua após a publicidade

A ação da Apple fechou acima de 500 dólares pela primeira vez, após um ganho de 1,9 por cento, levando o Nasdaq a fechar acima da máxima em 11 anos.

Parlamentares gregos aprovaram cortes drásticos em salários, aposentadorias e empregos no domingo como preço pelo pacote de resgate de 130 bilhões de euros oferecido pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Ao todo, 199 dos 300 parlamentares apoiaram o projeto, mas 43 deles de dois partidos do governo do primeiro-ministro Lucas Papademos, os socialistas e conservadores, rebelaram-se ao votarem contra o projeto. Eles foram imediatamente expulsos de suas legendas.

Doug Roberts, vice-presidente de estratégia de investimentos do site ChannelCapitalResearch.com, disse que há certo ceticismo sobre a possibilidade de os gregos aceitarem as reformas. Mas as condições atuais do mercado fazem com que seja difícil para gestores financeiros evitar ações.

Continua após a publicidade

“Administradores de fundo mútuos têm um instinto de rebanho e se todo mundo está jogando o jogo, com dinheiro rendendo zero, eles têm de participar”, disse Roberts.

O S&P atingiu na semana passada sua maior alta em 7 meses e está em alta superior a 25 por cento em relação à mínima atingida no início de outubro, parcialmente em função das apostas de que as reformas seriam aprovadas.

“Você tem de respeitar o fato de que o mercado tem sido tão forte como tem sido, mas não compraríamos com base nessa força”, disse Bruce McCain, vice-presidente de estratégia de investimentos no Key Private Bank em Cleveland.

REUTERS BBF BM

Publicidade