Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsa de Xangai cai, mas outras asiáticas sobem

Operadores econômicos ainda veem com receio as medidas de intervenção do governo para conter a desvalorização das ações chinesas

As bolsas chinesas fecharam em baixa nesta quarta-feira, após mais um dia de volatilidade, em meio à avaliação de que falta clareza às regras instituídas por Pequim para conter a desvalorização das ações do país. No entanto, a queda não chegou a impactar significativamente os outros mercados asiáticos, que registraram alta.

O Xangai Composto, principal índice acionário chinês, caiu 1,7%, a 3.694 pontos, enquanto o Shenzhen Composto, de menor abrangência, recuou 1,1%, a 2.128 pontos, e o ChiNext, composto por empresas de pequeno valor de mercado, cedeu 1,7%, a 2.502 pontos.

“Os investidores são contidos pela ausência de regras regulatórias previsíveis”, comentou Deng Wenyuan, analista da Soochow Securities. O movimento diário nos mercados de Xangai e Shenzhen tem sido de menos de 1 trilhão de yuans (161 bilhões de dólares), metade do nível visto antes da forte onda de liquidação de junho.

Leia também:

Em quarta alta seguida, dólar fecha a R$ 3,46

Brasil sente os efeitos da desaceleração chinesa

Na segunda-feira, Pequim anunciou mudanças regulatórias numa tentativa de conter as chamadas vendas a descoberto. Pela nova orientação, os investidores precisam aguardar pelo menos um dia antes de cobrir posições e pagar de volta empréstimos tomados para a compra de ações. Analistas questionaram a eficiência da medida, diante da escala relativamente pequena de vendas a descoberto nas bolsas chinesas.

Em outras partes da Ásia, os mercados tiveram altas moderadas após o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) da China ter avançado de 51,8 em junho para 53,8 em julho, atingindo o maior patamar em 11 meses, segundo pesquisa da Markit Economics e da Caixin Media – o índice mede a atividade de serviços no país. A leitura acima de 50, que indica expansão de atividade, veio em meio a temores de que a liquidação recente na China possa prejudicar a indústria de serviços financeiros. Em relação ao pico alcançado em meados de junho, o Xangai Composto ainda acumula perdas de 28%.

O bom desempenho do PMI chinês de serviços acabou se sobrepondo à percepção de que os EUA estão cada vez mais próximos de começar a elevar suas taxas de juros básicas. Em Hong Kong, o Hang Seng subiu 0,44%, enquanto em Seul, o índice sul-coreano Kospi teve ligeira alta de 0,09%, e o taiwanês Taiex, de 0,4%.

Na Oceania, a bolsa australiana terminou o dia em tom negativo, pressionada por ações de energia e do setor bancário. Após um pregão também volátil, o índice S&P/ASX 200, que reúne as ações mais negociadas em Sydney, caiu 0,4%.

(Com Estadão Conteúdo)