Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bolsa chinesa sobe após intervenção do governo

Índice de Xangai fechou em alta de 3,4% depois de três dias de perdas; Pequim prometeu comprar ações para tranquilizar o mercado e investigar a venda dos papeis na segunda

Por Da Redação 29 jul 2015, 11h09

As bolsas chinesas fecharam em alta nesta quarta-feira à medida que Pequim se mobilizou para acalmar os investidores locais, enquanto outros mercados asiáticos encerraram o dia perto da estabilidade, focados na temporada de balanços corporativos e à espera da decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) sobre o aumento dos juros.

O índice Xangai Composto, o principal da China Continental, subiu 3,4%, a 3.789 pontos, depois de alternar altas e baixas ao longo da sessão. Já o Shenzhen Composto, de abrangência menor, avançou 4,1%, a 2.198 pontos. O fechamento positivo veio após três pregões de perdas, período em que o Xangai acumulou desvalorização de 11%. O principal índice acionário chinês continua mais de 25% abaixo da máxima atingida em junho e apenas 3,7% acima da mínima alcançada este mês.

“Embora esteja muito cedo para verificar se o mercado atingiu um nível mais estável. Parece que comentários de autoridades, garantindo aos investidores seu compromisso de dar sustentação ao mercado, estão funcionando”, comentou Gerry Alfonso, diretor de negócios da Shenwan Hongyuan Securities.

Leia também:

Bolsa da China volta a cair, mas mercados asiáticos sobem

Pequim anuncia manutenção de medidas para conter queda da bolsa

Nesta terça-feira, o órgão regulador de valores mobiliários da China anunciou que vai investigar a forte onda de liquidação que golpeou as bolsas chinesas na segunda, quando o Xangai Composto despencou 8,5%, sua maior queda porcentual desde fevereiro de 2007. Pequim suspeita de que ocorreu uma venda coordenada de ações. Além disso, autoridades chinesas se comprometeram a ampliar as medidas de apoio ao mercado.

Continua após a publicidade

De qualquer forma, muitos investidores continuam cautelosos, um vez que o Xangai tem se mostrado bastante volátil. Ontem, o índice oscilou dentro de uma banda de 6%, embora tenha encerrado o dia com perda de apenas 1,7%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,5%, a 24.619 pontos, seguindo a direção de Xangai e Shenzhen. Em outras partes da Ásia, os movimentos foram contidos, em meio à divulgação de resultados corporativos e antes do anúncio da política monetária do Fed, que hoje conclui sua reunião de dois dias. A expectativa é que o BC norte-americano prepare o terreno para começar a elevar, a partir de setembro, os juros básicos das mínimas em que se encontram desde o fim de 2008.

No mercado taiwanês, o Taiex fechou em ligeira baixa de 0,2%, a 8.563 pontos, enquanto em Seul, o índice sul-coreano Kospi também apresentou recuo marginal, de 0,07%, a 2.037pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana fechou em alta, sustentada por ações de mineradoras, diante da recuperação dos preços de metais básicos, liderada pelo cobre. O S&P/ASX 200, índice que reúne as ações mais negociadas em Sydney, subiu 0,7%, a 5.624 pontos.

Leia mais:

Bolsa da China cai 8,5%, maior queda desde 2007

Bovespa cai ao menor patamar em 4 meses

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade