Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Boeing e Embraer se unem para desenvolver biocombustíveis no país

São Paulo, 26 out (EFE).- A Boeing e a Embraer assinaram nesta quarta-feira um acordo para realizar um programa de desenvolvimento de biocombustíveis para aviação, que prevê a criação de um centro de pesquisa no Brasil.

Do acordo também participa a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), instituição pública encarregada de impulsionar o desenvolvimento tecnológico.

Representantes das duas empresas e da Fapesp assinaram uma carta de intenções em um ato realizado em São Paulo para oficializar o acordo, que foi qualificado como ‘muito importante’ pelo presidente da Boeing International, Shep Hill.

A primeira fase do programa consiste no desenvolvimento de um estudo detalhado que identificará desafios e oportunidades no setor e servirá de base para desenvolver um centro de pesquisa que poderia nascer em 2013, informou uma fonte da Boeing em entrevista coletiva.

‘Planejamos demonstrar a viabilidade dos biocombustíveis. Não vamos vender biocombustíveis, vamos fornecer tecnologia’, disse Hill, detalhando que, em um contexto de redução de emissões de poluentes, investir em programas deste tipo ‘é o correto’.

Os representantes das duas empresas evitaram oferecer valores sobre o projeto e Hill se limitou a declarar que serão liberados ‘os recursos necessários para torná-lo realidade’.

O vice-presidente executivo de engenharia e tecnologia da Embraer, Mauro Kern, destacou que ‘as empresas não estão entrando especificamente nas questões financeiras de forma pública’.

A empresa americana manifestou, além disso, sua intenção de fortalecer sua presença no Brasil, mas os planos concretos da companhia não foram detalhados.

Representantes da Boeing se reuniram nesta manhã com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para discutir a estratégia do grupo americano no país.

Ao término da entrevista coletiva, a presidente da Boeing no Brasil, Donna Hrinack, declarou à Agência Efe que esses planos serão realizados ‘pouco a pouco’ através de parcerias na área de tecnologia e em colaboração com a Embraer. EFE