Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

BNDES vai criar ‘braço’ para financiar comércio exterior

Chamado de BNDES-Exin, o órgão entrará em funcionamento no 1º semestre

Por Da Redação 3 jan 2011, 14h34

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, previu nesta segunda-feira que o BNDES-Exin – braço do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) voltado ao financiamento do comércio exterior – começará suas atividades nos próximos meses. “O BNDES-Exin deve entrar em funcionamento a todo vapor no primeiro semestre deste ano”, afirmou.

Segundo o ministro, a criação do banco nunca foi abandonada. “Ao contrário. Houve parada temporária, em junho, em função do período eleitoral”, considerou. Ele salientou que houve algumas dúvidas sobre o formato do fundo garantidor e que, agora, as discussões serão retomadas.

Câmbio flutuante – O novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior também comparou os efeitos do câmbio flutuante a “patinhos de borracha que navegam em uma onda”. “As pessoas leigas imaginam que o câmbio flutuante é um grande navio, como o Titanic, flutuando. Mas, na verdade, é uma porção de patinhos de borracha flutuando na mesma onda, uns lá em cima e outros lá em baixo”, afirmou o economista.

Segundo Pimentel, a comparação quer dizer que, para a uma mesma taxa de câmbio, há setores da economia que vão bem e outros que têm desempenhos piores. “Se você desonera algum setor, então você tira o peso relativo do patinho e puxa ele para cima”, completou.

Para o ministro, no entanto, no longo prazo pode-se colocar um “motorzinho” nos patinhos de borracha para que eles consigam subir sozinhos a onda. “Isso se chama competitividade”, concluiu.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade