Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

BNDES terá de divulgar salários de diretoria e funcionários

Justiça acatou pedido do Ministério Público; banco afirmou que vai recorrer

Por Da Redação 14 Maio 2015, 21h11

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi condenado a divulgar em seu site todos os salários de seus diretores e demais funcionários, incluindo gratificações, informou nesta quinta-feira o Ministério Público Federal (MPF). A decisão, proferida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, atende ao pedido da Procuradoria Regional da República sediada no Rio.

O BNDES informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que como a decisão ainda não foi publicada, não tomou conhecimento formal. Mesmo assim, disse que vai recorrer.

LEIA TAMBÉM:

Financiamentos do BNDES recuam em todos os setores da economia

Câmara aprova liberação de R$ 50 bilhões para o BNDES

Levy: BNDES tem que dividir riscos com setor privado no crédito à infraestrutura

Continua após a publicidade

Segundo comunicado do MPF, os três desembargadores da 8ª turma do TRF concordaram com o argumento dos promotores de que o BNDES se submete à Lei de Acesso à Informação, de 2011. O tribunal ainda vai publicar a decisão, esclarecendo o início do prazo para que a ordem judicial seja cumprida e o valor da multa em caso de descumprimento.

O procurador regional Tomaz Henrique Leonardos, autor do parecer, rebateu a posição do BNDES, acatada pelo juiz de primeira instância, de que a instituição de fomento não estaria obrigada a divulgar os salários por ser estatal em regime de concorrência, atendendo às normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para assegurar a competitividade e a governança corporativa.

LEIA TAMBÉM:

Saiba o que dá para comprar com todo o dinheiro que o governo já repassou ao BNDES

A CVM, órgão regulador do mercado, exige das companhias com registro de sociedade anônima a divulgação periódica da remuneração máxima, mínima e média dos membros da diretoria. A BNDESPar, empresa de participações do BNDES, tem registro na CVM, pois atua no mercado comprando fatias de empresas e títulos em nome do banco, mas não divulga a remuneração dos executivos. Isso porque é classificada perante o órgão como empresa de categoria “B” (companhia aberta que não está autorizada a emitir ações), para as quais a divulgação dos salários é opcional.

Segundo o parecer do procurador Leonardos, o fato de o decreto que regulamenta a Lei de Acesso à Informação dizer que as estatais que atuam em “regime de concorrência” estão sujeitas às normas da CVM “não exime as referidas instituições de prestar as informações que não comprometam a sua competitividade”. “O BNDES evidentemente não concorre no mercado com o banco Itaú e com o Bradesco”, diz Leonardos.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)