Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

BNDES deve abrir dados de financiamentos a exportações para Cuba e Angola

Ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, anunciará a retirada do selo de "sigiloso", que limita a divulgação de informações em contratos

Por Da Redação 2 jun 2015, 10h33

É prevista para esta terça-feira a retirada do selo de “sigiloso” que limita a divulgação de informações em contratos de financiamentos do BNDES a exportações brasileiras de engenharia para Cuba e Angola. Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, é quem deve anunciar a abertura de dados, colocados sob sigilo pelo então ministro Fernando Pimentel, sob a alegação de se tratar de exigência dos países financiados.

Com isso, devem ser disponibilizadas no site do banco de investimento informações restritas de todos os contratos de financiamentos celebrados pela instituição, exceto os chamados repasses automáticos, operados por bancos privados.

A abertura de informações vem na esteira de uma série de embates do governo com a oposição no Congresso e também com órgãos de fiscalização. Recentemente, a presidente Dilma Rousseff vetou um artigo de lei que determinava a divulgação irrestrita de condições de seus contratos de financiamento, com o argumento de que haveria quebra constitucional de sigilo bancário e empresarial.

Leia mais:

Governo é multado por suposto favorecimento ao JBS

Continua após a publicidade

Cade aprova compra da Tyson do Brasil pela JBS

JBS perde posto de empresa mais internacional do Brasil

O próprio BNDES recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para não enviar ao Tribunal de Contas da União (TCU) informações sobre contratos específicos, como os que foram firmados com o frigorífico JBS, e que foram alvo de suspeitas de irregularidades. Em resposta, o STF determinou a abertura das informações.

Agora, é preciso constatar, na prática, se o esforço de maior transparência será suficiente para dissolver acusações de que o banco se tornou uma “caixa preta” de negócios e de interesses não declaráveis.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)