Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

BNDES desembolsa 52% mais no 1º tri – mas consultas caem

Banco liberou 37,173 bilhões de reais - nível mais alto da história para o período. Contudo, número de empresas que fizeram consultas sobre novos empréstimos recuou 11%

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) desembolsou 37,173 bilhões de reais em empréstimos no primeiro trimestre de 2013, crescimento nominal de 52% ante os três primeiros meses de 2012, anunciou nesta segunda-feira a instituição de fomento.

Segundo o banco, o nível de desembolsos é o mais alto da história para o primeiro trimestre. Nos três primeiros meses do ano também foi forte o ritmo de aprovações de financiamentos, que englobaram projetos no valor de 40,705 bilhões de reais, alta de 51% frente a igual período de 2012. Apesar do recorde de liberações de dinheiro, menos empresas consultaram o banco sobre novas possibilidades de empréstimos. Houve queda de 11% em relação a 2012, segundo o BNDES.

A instituição informou, em comunicado, que os desembolsos para a indústria ficaram em 13,492 bilhões de reais, superarando os dos setores de infraestrutura (9,264 bilhões de reais), serviços (9,699 bilhões de reais) e agropecuária (4,718 bilhões de reais). No setor de infraestrutura, houve queda de 7% nos desembolsos em relação ao mesmo período do ano passado.

Eike Batista – Em coletiva para a divulgação do resultado trimestral na manhã desta segunda, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse que “está tranquilo” quanto à exposição do banco às empresas do grupo EBX, do empresário Eike Batista. Segundo ele, o valor total desembolsado pelo banco às empresas EBX é inferior a 10 bilhões de reais, mas Coutinho não precisou qual o valor total da dívida das companhias com o banco estatal. “É preciso descontar as operações que têm garantia e fiança bancária”, afirmou Coutinho durante divulgação do balanço de desembolsos do BNDES no primeiro trimestre deste ano.

Leia também:

BNDES aprova empréstimos, mas 40% ficam em caixa

BNDES liberou mais de R$ 150 bilhões em 2012

(Com Estadão Conteúdo)