Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

BNDES alterou contrato para beneficiar empresas de Eike, diz jornal

O banco de fomento estendeu recursos e diminuiu as exigências em 15 contratos, que somam 10,4 bilhões de reais, com empresas do grupo X

Contratos de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) sofreram alterações para beneficiar empresas de Eike Batista, segundo reportagem desta segunda-feira do jornal O Estadao de S. Paulo. As mudanças adiaram prazos, estenderam recursos e relaxaram exigências. Documentos enviados ao Congresso e obtidos pelo veículo mostram que foram firmados 15 contratos, que somam 10,4 bilhões de reais, com empresas do grupo, de janeiro de 2009 a dezembro de 2012, com juros baixos, garantias em ações das próprias companhias ou bens que ainda seriam adquiridos.

Leia também:

Eletrobras contrai dívida bilionária para pagar dividendos à União

Volume de crédito liberado pelo BNDES sobe 67% de janeiro a maio

Justiça nega pedido de bloqueio de bens de Eike Batista

Uma das prorrogações foi assinada a apenas quatro dias do prazo em que a empresa deveria ter feito o pagamento. Em 15 de setembro de 2012 a UTE Parnaíba, que tem a MPX como sócia, deveria ter pagado ao BNDES 242,7 milhões de reais. No dia 11 de setembro de 2012, porém, um aditivo mudou o pagamento para março de 2013.

O adiamento ocorreu também em contrato de 240 milhões de reais firmado em dezembro de 2009 com a empresa UTE Porto de Itaqui Geração de Energia S.A., que tem a MPX como sócia. O contrato original previa amortização equivalente a cinco parcelas em junho de 2012, mas um aditivo postergou a quitação em 13 meses.

Outro acordo, com a Porto do Pecém Geração de Energia, na qual a MPX está envolvida, o BNDES prorrogou a exigência de desempenho técnico em seis meses: de dezembro de 2011 para junho de 2012.

Leia ainda: Acionistas da OGX querem que CVM realize audiência

(com Estadão Conteúdo)