Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

BM: Ásia crescerá em 2012, mas se manterá vulnerável à crise europeia

Por Da Redação
23 Maio 2012, 05h57

Tóquio, 23 mai (EFE).- O crescimento, embora em menor ritmo, continuará em 2012 no Leste da Ásia, cujo modelo se manterá vulnerável à crise europeia, disseram nesta quarta-feira em Tóquio os responsáveis pelo último relatório do Banco Mundial (BM) para a região.

O BM espera que o crescimento médio da zona caia dos 8,2% de 2011 para 7,6% este ano, como resultado da situação global e de um arrefecimento da China.

Além disso, essa região continua vulnerável à crise europeia, principalmente pelas exportações e os vínculos financeiros, lembrou a vice-presidente da entidade na zona, Pamela Cox, uma das responsáveis pelo relatório apresentado hoje.

Neste sentido, Cox ressaltou que a União Europeia (UE), junto com Estados Unidos e Japão, é o destino ‘de mais de 40% das exportações diretas da região, e os bancos europeus financiam um terço do comércio e dos projetos na Ásia’.

Em linha com o que assinala o relatório, a economista lembrou que há ‘espaço para equilibrar’ o modelo regional para buscar novos motores de crescimento, por exemplo, com exportações dirigidas também a países em desenvolvimento e com um maior investimento em capital humano a fim de elevar a produtividade.

Continua após a publicidade

Cox ressaltou também que alguns países, como a China, ‘precisam estimular o consumo das famílias’, enquanto outros, como as Filipinas e a Indonésia, requererem um maior investimento em infraestrutura.

O arrefecimento da China nas próximas décadas e o fato de deixar de ser um Estado produtor também apresenta, segundo os responsáveis pelo relatório, desafios à região, como, por exemplo, uma previsível queda nas importações chinesas de matérias-primas, afetando os países asiáticos que produzem esses recursos.

‘Apesar de tudo, somos otimistas com relação às economias do Leste da Ásia’, resumiu Cox, ressaltando que a demanda interna se manteve firme e que a maioria dos países da zona registrou superávit por conta corrente, manteve altos níveis de reservas e conta com sistemas bancários bem capitalizados. EFE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.