Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Black Friday: 9 produtos de até R$ 500 para usar com o FGTS

Confira levantamento dos produtos mais desejados no valor da liberação do fundo feita pelo Zoom, a pedido de VEJA; na lista há de smartphone a fogão

Por Larissa Quintino - 28 nov 2019, 19h42

A data da Black Friday de 2019 vai coincidir com a liberação de mais um lote do saque imediato do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que libera até 500 reais por conta do trabalhador. Nessa sexta-feira, 29, a Caixa Econômica Federal vai liberar o dinheiro para os nascidos em agosto – quem faz aniversário de janeiro a julho já pode pegar o dinheiro. A liberação do FGTS visa estimular o consumo e, consequentemente, a economia brasileira. 

Para quem quiser utilizar os recursos sacados do fundo para compras, a plataforma de comparação de preços Zoom realizou, a pedido de VEJA, um levantamento com os 9 produtos mais buscados nesta quinta-feira, 28, que custam até 500 reais, o valor dos saques. Os preços informados são os mais baixos encontrados em lojas online às 18h desta quinta-feira. Especialistas, porém, recomendam que os consumidores usem os recursos para pagar dívidas e poupem para as despesas extras de janeiro.

Confira abaixo a lista dos produtos:

  1. Smartphone Samsung Galaxy J4 16gb: 499 reais nas Casas Bahia, no Ponto Frio e no Magazine Luiza
  2. Smart TV Philco 24 polegadas FullHD: 439 reais no Carrefour
  3. Fogão de piso Braslar Sirius 4 bocas acendimento manual: 287 reais na Americanas.com
  4. Lavadora semiautomática Colormaq 10kg: 339 reais no Magazine Luiza
  5. Tênis Mizuno masculino Wave Prorunner 22: 373 reais na loja F Sports
  6. Guarda-roupas solteiro 2 portas gavetas Popy: 247 reais na Americanas.com e no Submarino 
  7. Fone de ouvido bluetooth Xiaomi Redmi AirDots: 65 reais na Americanas.com
  8. Microondas Philco 32 litros PMO33ES inox: 450 reais na Americanas.com e no Shoptime
  9. Pneu para carro Goodyear Direction Touring SL Aro 13 175/70 82T: 159 reais no Magazine Luiza

A liberação do saque imediato do FGTS começou em setembro como forma de o governo tentar impulsionar o resultado do comércio brasileiro deste ano. A recuperação do consumo é um dos componentes do motor da engrenagem que ajudará a impulsionar o (leve) avanço do PIB brasileiro, e este, ao crescer, vai alavancar ainda mais as vendas daqui por diante. 

Publicidade

Para este lote, o valor dos saques ainda será de 500 reais, apesar de o Congresso ter subido o limite para 998 reais para trabalhadores que tinham até um salário mínimo nas contas até 24 de julho, data da publicação da medida provisória que liberou os saques. Para que o limite suba, é preciso que o presidente Jair Bolsonaro sancione o texto. Quem tinha até 998 reais vai poder fazer o saque do valor remanescente posteriormente, conforme orientação da Caixa. Questionada sobre a assinatura do projeto, a Casa Civil não respondeu para a reportagem.

Com isso, a Caixa libera uma cota de até 500 reais de contas ativas (de contratos de trabalho que estão vigentes) e inativas. Caso a pessoa tenha menos que esse valor na conta, o saque pode ser feito integralmente. O limite é por conta. Ou seja, se o trabalhador tiver duas contas, por exemplo, poderá sacar até 1.000 reais, sendo 500 reais de cada uma. Também não é necessário sacar o dinheiro imediatamente no momento da liberação, já que os recursos estarão disponíveis para movimentação até o dia 31 de março de 2020.

Até o momento, a Caixa já liberou os saques para nascidos entre janeiro e julho e para trabalhadores com conta poupança da Caixa independentemente do seu mês de aniversário. Trabalhadores nascidos entre setembro e dezembro irão receber os valores no próximo mês.

Publicidade