Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bill Gates recupera posto de mais rico do mundo

Em novo ranking da Forbes divulgado nesta segunda-feira, fundador da Microsoft tem fortuna avaliada em 72 bilhões de dólares

Por Da Redação 16 set 2013, 11h13

Bill Gates reiterou sua posição de homem mais rico dos Estados Unidos pelo 20º ano consecutivo e recuperou o posto de maior fortuna do mundo, avaliada em 72 bilhões de dólares, segundo o novo ranking publicado pela Forbes nesta segunda-feira, que lista os 400 mais ricos dos Estados Unidos e os 1 000 mais ricos do mundo.

Gates tirou o lugar do mexicano Carlos Slim (dono da Telmex, que controla Embratel no Brasil), que no início deste ano foi considerado pela revista como o mais rico do planeta. O investidor Waren Buffett ficou em segundo lugar entre os mais ricos dos EUA, após acrescentar 12,5 bilhões de dólares à sua fortuna e elevá-la para 58,5 bilhões de dólares. O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, aparece em 10° lugar da lista americana, com um patrimônio avaliado em 31 bilhões de dólares.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg viu sua fortuna crescer de 10 bilhões para 19 bilhões de dólares, devido à valorização das ações da rede social na bolsa de valores. “Cinco anos depois da crise financeira que derrubou as fortunas de muitos nos Estados Unidos e no mundo, os mais ricos, como grupo, recuperaram tudo que perderam”, informa a revista Forbes.

Leia também:

Jorge Paulo Lemann é o bilionário mais interessante do mundo, diz Bloomberg

Número de bilionários na China cresce 392% em um ano

Jeff Bezos, o bilionário que empacotava livros

O patrimônio total das 400 pessoas mais ricas dos Estados Unidos chegou a um valor sem precedentes em 2013: 2,02 trilhões de dólares, o equivalente ao Produto Interno Bruto (PIB) da Rússia, acrescenta a publicação. O empresário Eike Batista, que até o início deste ano ainda figurava na lista dos mais ricos elaborada pela Forbes, sequer foi citado pela reportagem. No início deste mês, o empresário foi excluído da lista de bilionários da publicação, depois que seu patrimônio encolheu para 900 milhões de dólares, após o declínio vertiginoso de suas empresas.

(Com EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade