Clique e assine a partir de 8,90/mês

Bill Gates recupera posto de mais rico do mundo

Em novo ranking da Forbes divulgado nesta segunda-feira, fundador da Microsoft tem fortuna avaliada em 72 bilhões de dólares

Por Da Redação - 16 set 2013, 11h13

Bill Gates reiterou sua posição de homem mais rico dos Estados Unidos pelo 20º ano consecutivo e recuperou o posto de maior fortuna do mundo, avaliada em 72 bilhões de dólares, segundo o novo ranking publicado pela Forbes nesta segunda-feira, que lista os 400 mais ricos dos Estados Unidos e os 1 000 mais ricos do mundo.

Gates tirou o lugar do mexicano Carlos Slim (dono da Telmex, que controla Embratel no Brasil), que no início deste ano foi considerado pela revista como o mais rico do planeta. O investidor Waren Buffett ficou em segundo lugar entre os mais ricos dos EUA, após acrescentar 12,5 bilhões de dólares à sua fortuna e elevá-la para 58,5 bilhões de dólares. O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, aparece em 10° lugar da lista americana, com um patrimônio avaliado em 31 bilhões de dólares.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg viu sua fortuna crescer de 10 bilhões para 19 bilhões de dólares, devido à valorização das ações da rede social na bolsa de valores. “Cinco anos depois da crise financeira que derrubou as fortunas de muitos nos Estados Unidos e no mundo, os mais ricos, como grupo, recuperaram tudo que perderam”, informa a revista Forbes.

Leia também:

Jorge Paulo Lemann é o bilionário mais interessante do mundo, diz Bloomberg

Número de bilionários na China cresce 392% em um ano

Jeff Bezos, o bilionário que empacotava livros

O patrimônio total das 400 pessoas mais ricas dos Estados Unidos chegou a um valor sem precedentes em 2013: 2,02 trilhões de dólares, o equivalente ao Produto Interno Bruto (PIB) da Rússia, acrescenta a publicação. O empresário Eike Batista, que até o início deste ano ainda figurava na lista dos mais ricos elaborada pela Forbes, sequer foi citado pela reportagem. No início deste mês, o empresário foi excluído da lista de bilionários da publicação, depois que seu patrimônio encolheu para 900 milhões de dólares, após o declínio vertiginoso de suas empresas.

(Com EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade