Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

BCE mantém taxa de juros na mínima recorde de 0,25%

Apesar disso, o banco central pode adotar medidas de política monetária na reunião de junho, caso a inflação na zona do euro permaneça baixa

O Banco Central Europeu (BCE) manteve, nesta quinta-feira, sua principal taxa de juros na mínima recorde de 0,25%. Segundo, o presidente do BCE, Mario Draghi, o banco pode considerar novas medidas de política monetária na reunião de junho, após a publicação de projeções econômicas atualizadas. “Ao final desta discussão eu diria que o Conselho Diretor está confortável em agir da próxima vez, mas antes queremos ver as projeções da equipe que serão divulgadas no começo de junho”, disse.

Draghi ressaltou ainda que a zona do euro continua a apresentar uma recuperação moderada, embora as pressões inflacionárias permaneçam fracas. Ele acrescentou que o aumento dos preços não deve alcançar a meta do banco central de pouco abaixo de 2% até o final de 2016 e prometeu manter as taxas de juros baixas por um período mais prolongado.

No mês passado, Draghi afirmou que o Conselho Diretor foi “unânime em seu compromisso de usar também instrumentos não convencionais” para lidar com os riscos “de um período muito prolongado de inflação baixa”. Desde então, dados mostraram que a inflação na zona do euro subiu para 0,7% em abril, ante 0,5% em março, o que diminuiu a pressão para que a autoridade monetária adotasse alguma medida este mês.

Leia também:

Inflação da zona do euro permanece em nível crítico

Produção industrial da eurozona sobe 0,2% em fevereiro

Grã-Bretanha – O banco central britânico também manteve, nesta quinta-feira, sua taxa de juros na mínima recorde de 0,5%. Em fevereiro, a autoridade monetária indicou que o segundo trimestre de 2015 seria o período mais provável para o aumento da taxa de juros na Grã Bretanha. No entanto, com a divulgação de dados econômicos melhores do que o esperado, com exceção da inflação que recuou para a mínima de quatro anos de 1,6%, expectativas do mercado passaram a apontar uma elevação nos primeiros três meses do ano que vem.

(com agência Reuters)