Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

BC projeta crescimento de 2% e inflação acima de 6%

A autoridade monetária divulgou nesta quinta-feira o Relatório Trimestral de Inflação

Por Da Redação 27 mar 2014, 09h31

O Banco Central projeta alta de 2% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deste ano, menor que o resultado de 2013, quando a expansão ficou em 2,3%. O número previsto no Relatório Trimestral de Inflação, divulgado nesta quinta-feira, também é mais baixo do que a estimativa da Fazenda, de 2,5%.

Leia também:

Produtividade baixa impede que o Brasil cresça mais

Em Davos, Tombini admite: ‘Crescer 2% não é suficiente. Precisamos fazer mais’

Para Tombini, alta do preço de alimentos é ‘choque temporário’

Segundo o relatório desta quinta, a inflação será maior em 2014. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficará em 6,1% neste ano, ante previsão anterior de 5,6%, aproximando-se ainda mais do teto da meta do governo, de 4,5%, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos.

O BC também piorou a sua estimativa para a inflação em 2015, a 5,5%, acima da medida anterior (5,4%). Além disso, projeta que o índice fechará o primeiro trimestre de 2016 em 5,4%. Os riscos desse cenário, alertou a autoridade monetária, vêm “do comportamento das expectativas de inflação, impactadas negativamente nos últimos meses pelo nível da inflação corrente”. Isso porque há dispersão de aumentos de preços e incertezas sobre os preços da gasolina e de alguns serviços públicos, como eletricidade.

“A esse respeito, o Comitê tem agido no sentido de fazer com que a elevada variação dos índices de preços observada nos últimos doze meses seja percebida pelos agentes econômicos como um processo de curta duração”, trouxe o relatório.

Continua após a publicidade

O BC também ressaltou as pressões de preços localizadas “especialmente no segmento de alimentos in natura, embora, em princípio, trate-se de choque temporário e que tende a se reverter nos próximos meses”, acrescentou.

Contexto – O cenário macroeconômico do país não é dos mais animadores neste ano, quando a presidente Dilma Rousseff tentará a reeleição, com expectativas de desaceleração da atividade e inflação ainda elevada, próxima do teto da meta.

Para piorar, o Brasil teve sua classificação de risco rebaixada pela Standard & Poor’s no início desta semana.

Leia ainda:

Copom eleva Selic a 10,75% – mesmo patamar de quando Dilma assumiu

S&P rebaixa nota de crédito do Brasil para BBB-

Segundo pesquisa Focus, do BC, a projeção dos economistas é de que o IPCA fechará este ano a 6,28% e, em 2015, a 5,80%. Desde abril passado, o BC já elevou a Selic em 3,5 pontos porcentuais, para o atual patamar de 10,75 por cento ao ano, a fim de combater a inflação. Na avaliação dos agentes econômicos, o movimento de alta ainda vai continuar.

Na próxima semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC se reúne novamente e mais uma alta de 0,25 ponto porcentual na taxa básica de juros é esperada. Para maio, também já existem apostas de outro movimento igual, o que levaria a Selic a 11,25%.

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)