Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

BC interrompe série de elevações e mantém taxa Selic em 14,25% ao ano

Decisão, anunciada na noite desta quarta-feira, era esperada pela maioria dos analistas e ocorreu por unanimidade

Por Da Redação 2 set 2015, 20h25

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu manter a Selic, taxa básica de juros da economia brasileira, em 14,25% ao ano. A decisão, esperada pela maioria dos analistas, foi anunciada na noite desta quarta-feira. O BC interrompe, assim, uma série de sete elevações consecutivas da taxa básica, iniciada em outubro do ano passado.

Os membros do Copom decidiram pela manutenção de forma unânime. “O Comitê entende que a manutenção desse patamar da taxa básica de juros, por período suficientemente prolongado, é necessária para a convergência da inflação para a meta no final de 2016”, disse o BC em nota distribuída logo depois da votação. O Copom informou que a decisão ocorreu sem viés, o que sinaliza nova manutenção na próxima reunião do comitê, marcada para os dias 20 e 21 de outubro.

As elevações em sequência da Selic ocorreram sob fortes sinais de pressão inflacionária – e o aumento da taxa básica é um dos instrumentos utilizados para tentar conter a disparada dos preços. Na pesquisa Focus, realizada semanalmente pelo BC com instituições financeiras, os analistas preveem, em média, inflação de 9,28% para 2015 – muito acima do centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional, de 4,5%.

Ainda que a decisão de hoje sobre a taxa Selic fosse esperada pelos analistas de mercado, havia quem não duvidasse de nova elevação nesta quarta-feira. A disparada do dólar, outro motor para a alta da inflação, ganhou corpo nesta semana depois que o governo apresentou uma proposta de orçamento para 2016 com rombo de 30,5 bilhões de reais. Nesta quarta-feira, o dólar fechou em alta de 1,95%, negociado por 3,75 reais, seu maior patamar desde dezembro de 2002. Em 2015, a valorização acumulada é de mais de 41%.

Leia também:

Produção industrial cai 8,9% em julho

Produção industrial em São Paulo tem maior queda dos últimos seis anos

Dólar volta a subir e fecha em seu maior patamar desde dezembro de 2002

Continua após a publicidade
Publicidade