Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

BB Seguridade lucra R$ 550 milhões no 2º trimestre

Companhia foi criada em dezembro do ano passado e realizou a maior oferta pública inicial de ações (IPO) do Brasil desde outubro de 2009

Por Da Redação 12 ago 2013, 11h23

A BB Seguridade, holding que concentra os negócios de seguros do Banco do Brasil, teve um lucro líquido de 550,3 milhões de reais no segundo trimestre, cerca de 31% superior ao registrado um ano antes, de 418,9 milhões de reais. Na comparação com os três meses imediatamente anteriores, o aumento foi de 21%.

O salto é explicado, conforme ressalta a BB Seguridade em relatório, primeiramente pelo crescimento de 69,9% da receita de comissões, justificado pela expansão do volume de negócios e, em segundo lugar, pelo aumento de 25% do resultado proveniente do segmento de previdência, alavancado pela alta de 56% do resultado de previdência e seguro.

A BB Seguridade destaca ainda a evolução de 26,3% do resultado proveniente do segmento de vida, habitacional e rural (BB Mapfre SH1). O crescimento de 65,4% da receita de juros de instrumentos financeiros, devido ao aumento do volume de recursos aplicados no mercado, também ajudou.

Leia mais:

BB Seguridade e Smiles abrem período de IPOs no Brasil

Continua após a publicidade

BB aproveita trégua pós-Bernanke e capta 700 milhões de euros​

A companhia, que foi criada em dezembro do ano passado, promoveu em abril deste ano a maior oferta pública inicial de ações (IPO) do Brasil desde outubro de 2009. Sua oferta pública lhe rendeu 11,475 bilhões de reais com a venda de 675 milhões de ações no mercado.

Com isso, o braço de seguros, previdência e capitalização do BB encerrou a primeira metade de 2013 com lucro líquido de 1,022 bilhão de reais e um retorno sobre patrimônio líquido médio anualizado (RSPL) de 36%.

“O resultado permitiu a destinação de 817,8 milhões de reais para distribuição aos acionistas na forma de dividendos, o que equivale a 80% do lucro líquido”, informou a empresa.

(com Estadão Conteúdo e agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade