Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

BB e Cielo fecham acordo de R$ 11,6 bi na área de cartões

Parceria resultará na criação de uma nova empresa com atuação na gestão de transações com cartões de crédito e débito das duas instituições

Por Da Redação 20 nov 2014, 08h35

O Banco do Brasil (BB) e a Cielo anunciaram um acordo para a criação de uma joint venture, avaliada em 11,6 bilhões de reais, para gerir os negócios com cartões de crédito e de débito Ourocard, emitidos pelo Banco do Brasil.

O capital social da nova empresa será dividido em 30% para o BB Elo Cartões, subsidiária integral do BB, e 70% para a Cielo. Como o BB tem uma participação indireta na Cielo, por meio do BB Banco de Investimento S.A., ficará com uma participação no capital da nova empresa de 50,05%, disse o banco estatal em comunicado ao mercado. O impacto financeiro estimado da operação no lucro líquido do BB será da ordem de 3,2 bilhões de reais.

Leia mais:

Banco do Brasil admite estar em negociações com a Cielo

Bendine deixa presidência do Banco do Brasil, diz jornal

Continua após a publicidade

Banco do Brasil lucra R$ 2,78 bi no 3º trimestre

A Cielo disse, em comunicado ao mercado, que aportará 8,1 bilhões de reais na operação. Já o BB aportará ativos relacionados ao Arranjo Ourocard, constituído pelas transações de compras de todos os cartões de crédito e débito emitidos pelo banco nas bandeiras Visa, Mastercard, entre outros.

“A nova companhia será responsável por atividades de suporte à gestão de cartões, sendo remunerada por tais atividades por meio da taxa de intercâmbio sobre as transações de crédito e débito realizadas com cartões emitidos pelo BB”, disse a Cielo.

Ficam excluídos os cartões relacionados aos negócios pré-pagos, soluções de meios de pagamento fornecidas a entes governamentais e cartões private label emitidos no âmbito de parcerias atuais firmadas com varejistas.

As atividades de marketing, análise e concessão de crédito continuarão sob responsabilidade do BB. A conclusão do negócio ainda depende de autorizações do Banco Central (BC) e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade