Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Bancos vão recorrer ao STJ sobre decisão da poupança

Superior Tribunal de Justiça entendeu que juros de mora devidos pelas instituições aos poupadores deveriam ser calculados a partir da citação em ação civil pública. Presidente do Itaú Unibanco disse que discussão de planos econômicos é "louca"

Por Da Redação 22 Maio 2014, 11h57

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou nesta quinta-feira que os bancos vão recorrer da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que, na véspera, votou a favor dos poupadores que tiveram perdas na poupança com os planos econômicos das décadas de 1980 e 1990. Em nota, a entidade afirmou que as instituições financeiras vão interpor o recurso de “embargos de declaração”, normalmente utilizados para pedir esclarecimentos sobre ambiguidades ou omissões no julgamento.

“A Febraban ressalta que a constitucionalidade das normas que instituíram os planos econômicos depende de julgamento pelo STF e está confiante quanto ao mérito desta decisão”, disse. Na próxima quarta-feira, o Supremo Tribunal Federal deve retomar julgamento sobre a legalidade de indenização dos poupadores. Se decidir a favor dos correntistas, os poupadores receberão uma compensação pelas perdas.

Nesta quarta-feira, o Superior Tribunal de Justiça entendeu que o cálculo dos juros de mora deve incidir a partir da citação em ação civil pública, enquanto os bancos defendiam que ele deveria valer a partir da citação do devedor em cada liquidação individual da sentença.

Leia mais:

STJ derruba ações de bancos na Bolsa de Valores

STF retoma julgamento dos planos econômicos dia 21

Continua após a publicidade

A retomada da discussão sobre planos econômicos 40 anos depois é uma “coisa louca”, na visão do presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal. “Basicamente o que fizemos é o que a lei exige que façamos. Não tivemos nenhuma vantagem. No fim do dia estamos sendo solicitados a pagar uma conta que não faz sentido”, afirmou ele, durante evento em São Paulo, nesta quinta-feira.

Sobre a decisão do STJ sobre os juros de mora, Setubal disse que a determinação amplia o cálculo de perdas potenciais para os bancos com os planos econômicos. Entretanto, ele lembrou da decisão do Supremo Tribunal Federal que reduz a elegibilidade de pessoas que têm direito a receber o benefício. Somente poupadores associados às classes que entraram com a ação terão direito de receber a correção dos planos, caso a decisão do STF também seja favorável aos poupadores.

Leia também:

Derrota no Supremo pode custar R$ 149 bilhões a bancos

Decisão do STF impactará economia em R$ 1 trilhão, diz BC

(com Estadão Conteúdo e agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade