Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bancos pressionam Caixa a reduzir custo do consignado com garantia do FGTS

Reclamação é de que as taxas cobradas de outras instituições pela Caixa inibem a concessão de crédito consignado com garantia do FGTS

Por Machado da Costa Atualizado em 27 set 2018, 20h15 - Publicado em 27 set 2018, 17h12

Os bancos estão pressionando a Caixa Econômica Federal a reavaliar os custos e detalhes da operação de empréstimo consignado garantido pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Banco do Brasil e um grande banco privado confirmaram a VEJA que avaliam a necessidade de ajustes junto à CEF.

A reclamação é que o banco público está cobrando uma mensalidade das instituições financeiras de 4.500 reais para que eles tenham acesso ao sistema criado para viabilizar essa modalidade de empréstimo. Além disso, o custo por operação é mais do que o dobro que o de uma operação normal. A queixa foi divulgada inicialmente pelo jornal Folha de S.Paulo.

O crédito consignado garantido pelo FGTS foi uma promessa feita pelo governo federal há mais de um ano. Trabalhadores poderiam fazer empréstimos a custos mais baixos, pois, em caso de demissão, o fundo garantiria a quitação do débito. Os bancos podem, desde esta quinta-feira, 27, oferecer essa modalidade.

“O Banco do Brasil avalia as regras e os ajustes operacionais necessários, especialmente, junto à CEF – operadora do FGTS. Em tempo, o BB continua a oferecer o crédito consignado tradicional privado aos clientes, tendo por base os convênios estabelecidos com os empregadores”, disse em nota.

Um grande banco privado, que preferiu não se identificar, afirmou que as taxas cobradas estão muito acima do que é normalmente praticado pelo mercado. Disse também que havia grande expectativa para o início dessa operação, pois a CEF tinha dado sinais positivos aos outros bancos no final do ano passado.

Continua após a publicidade

Nesta quinta, os bancos se reuniram na Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para discutir essa nova modalidade de crédito. Segundo a CEF, a reunião foi realizada para discutir a operação, mas não as taxas envolvidas nela. A Febraban garante que valores não foram debatidos. “Seria cartelização”, disse um assessor da federação.

A CEF diz que ainda não recebeu nenhuma notificação formal. “A Caixa informa que, até a presente data, não houve contestação pelas instituições consignatárias acerca dos custos envolvidos no processo de fornecimento de informação e reserva de valores na conta vinculada do FGTS de titularidade do trabalhador”, disse. O banco “ressalta que todas as manifestações, até o momento, ratificaram a assertividade do novo modelo, face às necessidades operacionais dos bancos interessados em oferecer essa nova linha de crédito”.

Atualmente, o único grande banco que está trabalhando com empréstimo consignado garantido pelo FGTS é o Santander. No entanto, a operação ainda é um projeto-piloto restrito aos funcionários de três empresas. A instituição se antecipou ao movimento da Caixa e está garantindo, com recursos próprios, as taxas do empréstimo.

Procurado, o Santander afirmou que é a Febraban quem está cuidando do assunto. Itaú e Bradesco não atenderam aos pedidos da reportagem.

Oficialmente, a Febraban afirmou que as negociações entre Caixa e outras instituições são tratados individualmente e não interfere nelas.

“No âmbito da Febraban, não discutimos temas relacionados a aspectos comerciais de produtos bancários, como os custos das linhas de crédito definidos pelos bancos, ou, no caso do consignado com garantia do FGTS, dos aspectos de preços envolvidos na relação entre Caixa Econômica Federal e os demais bancos”, disse em nota.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)