Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bancos pedem juros mais altos para socorrer distribuidoras

Segundo jornal, seis instituições já acertaram seus empréstimos às companhias elétricas e outras duas menores devem fechar sua entrada no grupo nesta quarta

Por Da Redação 6 ago 2014, 11h45

Ao menos seis instituições já acertaram sua participação no novo empréstimo às distribuidoras de energia elétrica, que deve totalizar 6,5 bilhões de reais. Banco do Brasil, Caixa Econômica, Bradesco, Itaú, Santander e BTG Pactual teriam, contudo, reivindicado uma taxa maior de juros do que na primeira operação que levantou 11,2 bilhões de reais e foi financiada a 12,1% em 12 meses (1,9% de juros mais a variação do CDI). Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, outras duas instituições (provavelmente bancos menores) ainda devem fechar o apoio ao grupo nesta quarta-feira, possível data da divulgação do novo empréstimo.

O governo acredita que este será o último empréstimo ao setor, que sofre os custos altos da compra de energia no mercado à vista e do funcionamento das usinas térmicas. Como a equipe de Dilma Rousseff não quer que a conta extra das distribuidoras seja repassada neste ano aos consumidores via reajuste e revisão de tarifas, o Tesouro e os bancos estão ajudando as empresas a arcar com os custos em 2014.

Dos 6,5 bilhões de reais da segunda operação, 3 bilhões serão bancados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a taxas semelhantes às das outras instituições. BB e Caixa devem entrar com 1,5 bilhão de reais. A expectativa é que na reunião desta quarta-feira com os bancos a operação seja fechada. Os empréstimos serão pagos entre 2015 e 2017, à medida que as distribuidoras aumentem a conta de luz.

Leia também:

Governo quer que contribuintes paguem dívida de distribuidoras em 3 anos

Aneel quer seis térmicas do Grupo Bertin de volta

Novo leilão de energia vai disponibilizar 26,3 mil megawatts ao sistema

A conta a ser paga até sexta-feira, referente aos gastos de junho, ainda não foi fechada, mas deve ficar em torno de 327 milhões de reais, segundo o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse na terça-feira. Na semana passada a Aneel prorrogou o prazo para o pagamento pelas distribuidoras da energia comprada em maio, que totalizou 1,3 bilhão de reais. Esse prazo originalmente acabava no início de julho, mas foi adiado para o dia 31 de julho na expectativa de que o acordo com os bancos fosse fechado. Como isso não ocorreu, a Aneel adiou novamente a data, agora para 28 de agosto.

A Aneel não quer postergar o prazo do desembolso de junho para não passar um sinal “muito ruim” para o mercado. Investidores, sobretudo estrangeiros, questionam as empresas sobre os rumos do setor, cada vez mais imprevisível e dependente de aportes emergenciais.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)