Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bancos lançam alternativas ao rotativo do cartão de crédito

A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito atingiu 486% ao ano em janeiro, o maior da série histórica

Por Da redação 9 mar 2017, 09h46

A partir de abril, o rotativo do cartão de crédito só poderá ser utilizado pelo período máximo de 30 dias. Após esse período, o banco será obrigado a oferecer uma alternativa mais barata ao consumidor.

Para se adequar à nova exigência, vários bancos anunciaram alternativas ao rotativo do cartão. Esse é o caso do Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander.

A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito atingiu 486% ao ano em janeiro, o maior da série histórica.

Para o diretor-executivo de estudos e pesquisas econômicas da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), Miguel Jose Ribeiro de Oliveira, a mudança é positiva para todas as partes envolvidas.

“O consumidor estará saindo de uma linha de crédito do rotativo que possui juros média de 15% ao mês para um um parcelamento que deve ter taxas de cerca de 8% ao mês. Ou seja, trocando uma dívida cara por outra mais barata”, disse.

Continua após a publicidade

Veja as mudanças anunciadas por essas instituições:

Banco do Brasil
Os clientes que não liquidarem a fatura após o período de 30 dias terão a dívida automaticamente parcelada em 24 vezes.
A taxa de juros desse parcelamento vai variar de 3,13% e 9,38% ao mês.
O BB permitirá que o cliente fique no rotativo todos os meses, desde que pague ao menos 15% dos novos gastos, parcelas de faturas anteriores.

Bradesco
Clientes que não conseguirem quitar a fatura vão aderir, automaticamente, a um parcelamento do valor da dívida em até 12 vezes. Os juros dessa linha de crédito vão variar de 3,60% a 9% ao mês.

Itaú Unibanco
Quando o cliente entrar no rotativo, na fatura seguinte, o valor será composto pelo saldo devedor das faturas anteriores, acrescido do pagamento mínimo dos encargos do mês e do pagamento mínimo dos gastos do mês. Outra opção é parcelamento da fatura, em até 24 parcelas fixas, com taxas reduzidas em torno de 2 pontos percentuais, ficando entre 0,99% e 8,90% a.m.
O cliente ainda pode escolher o valor que deseja pagar de entrada (entre o da menor parcela oferecida para o parcelamento da fatura e o valor do pagamento mínimo) com o restante sendo financiado em 12 parcelas com a mesma taxa oferecida no parcelamento da fatura.

Santander
Banco irá parcelar automaticamente o saldo remanescente do rotativo em até 18 vezes, com juros que variam de 2,99% a 9,99% ao mês, de acordo com o perfil e as necessidades financeiras do cliente.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)