Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Banco de desenvolvimento dos Brics financiará infraestrutura

Presidente sul-africano, Jacob Zuma, disse que grupo "decidiu criar um novo banco de desenvolvimento", mas não explicou se aos desentendimentos entre os países-membros foram sanados

Por Da Redação 27 mar 2013, 13h47

Depois de impasses sobre os detalhes da criação de um banco de desenvolvimento próprio, o grupo Brics, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e a África do Sul, aprovou a criação da instituição supranacional, conforme disse nesta quarta-feira o presidente sul-africano, Jacob Zuma. “O banco terá como objetivo mobilizar recursos, fomentar a construção de infraestrutura e o desenvolvimento sustentável em países emergentes”, explicou Zuma na sessão plenária da quinta cúpula anual das cinco economias emergentes, que termina nesta quarta-feira em Durban (África do Sul).

Leia também:

Dilma descarta medidas contra inflação que tenham impacto no PIB

A presidente Dilma Rousseff que o banco de desenvolvimento criado pelos Brics vai ajudar a financiar os projetos de infraestrutura, inclusive nos países considerados em desenvolvimento, com recursos de longo prazo. Entre esses países, inclui-se o próprio Brasil. Mas, segundo ela, o banco de desenvolvimento vai também ajudar projetos em especial na África e na América do Sul. A contribuição de cada país membro e o capital do banco ainda serão determinados.

Os líderes acreditam que o banco servirá de complemento para instituições financeiras internacionais já existentes, como o Banco Mundial (BM) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que os Brics consideram controlados em excesso pelos Estados Unidos e Europa. A criação do banco foi decidida pelos chefes de Estado dos cinco países após serem informados sobre a viabilidade do projeto por seus ministros de Finanças, no segundo e último encontro da cúpula.

Os Brics trabalham também para estabelecer um fundo de reservas de divisas de contingência por um valor inicial de 100 bilhões de dólares, que daria aos parceiros estabilidade financeira.

Os cinco chefes de Estado dos Brics apresentarão nesta quarta-feira, no fechamento da cúpula, um documento com as decisões adotadas, que incluirá os acordos assinados para fomentar os investimentos em infraestruturas na África e para a cooperação em matéria de economia sustentável.

(Com Reuters e EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês