Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Banco Cruzeiro do Sul vai ser fechado, decide BC

Após tentativa malsucedida do FGC de vender o banco, nesta sexta-feira o Banco Central confirmou sua liquidação. Banco Prosper também foi liquidado

Por Da Redação
14 set 2012, 10h49

Após as negociações com o Santander terem fracassado, o Banco Cruzeiro do Sul vai ser liquidado pelo Banco Central. Na prática, a liquidação significa que o banco será fechado. As conversas do banco espanhol com o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) se arrastaram até a madrugada desta sexta-feira, mas, sem acordo, e como não houve outras propostas, o FGC recomendou ao BC a liquidação do Cruzeiro do Sul, informação que foi confirmada na manhã.

A venda a outra instituição financeira era uma das duas condições para evitar a liquidação do banco sob intervenção. A outra era de que credores do Cruzeiro do Sul aceitassem um desconto médio de 49% nas dívidas. Como nesta sexta-feira vence uma dívida externa do Cruzeiro do Sul no valor de 1,5 bilhão de dólares, não havia mais tempo para negociar.

Leia também:

FGC estende prazo de compra de títulos do Cruzeiro do Sul

FGC adia data do leilão do Cruzeiro do Sul

Adesão ao plano de venda do Cruzeiro do Sul é baixa

Continua após a publicidade

FGC anuncia rombo 139% maior no Cruzeiro do Sul

Para ‘FT’, Banco Cruzeiro do Sul é história de terror

O patrimônio líquido do Cruzeiro do Sul está negativo em 2,23 bilhões de reais. Fontes ouvidas pela Agência Estado avaliaram que o rombo na instituição pode ser maior do que os 3 bilhões de reais, algo como 4,5 bilhões de reais ou até mais. Esse pode ter sido, segundo as mesmas fontes, um dos motivos que fizeram os possíveis candidatos interessados em comprar o banco desistir do negócio. O Cruzeiro do Sul detém 0,25% dos ativos do sistema bancário brasileiro e 0,35% dos depósitos.

Radar On-line: Ontem, Bradesco e Itaú disseram “não” novamente

Em comunicado, o BC disse que “continuará tomando todas as medidas cabíveis para apurar as responsabilidades (do rombo financeiro), nos termos de suas competências legais”. E acrescentou que, “nos termos da lei, permanecem indisponíveis os bens dos controladores e dos ex-administradores do Banco Cruzeiro do Sul”. Estão sob esta condição a controladora do Banco Cruzeiro do Sul (Cruzeiro do Sul Holding Financeira S.A) e as empresas Cruzeiro do Sul S.A Corretora de Valores e Mercadorias, Cruzeiro do Sul S.A. DTVM e Cruzeiro do Sul Companhia Securitizadora de Créditos Financeiros, que também se encontravam submetidas ao Regime de Administração Especial Temporária (RAET).

Continua após a publicidade

Prosper – O BC também anunciou, no mesmo documento, a liquidação do Banco Prosper. “A liquidação do Banco Prosper, que teve proposta de mudança de controle para o Banco Cruzeiro do Sul não aprovada pelo Banco Central, deve-se a sucessivos prejuízos que vinham expondo seus credores a risco anormal, a deficiência patrimonial e a descumprimento de normas aplicáveis ao sistema financeiro”, disse o BC.

O Banco Prosper detém aproximadamente 0,01% dos ativos do sistema bancário e 0,01% dos depósitos brasileiros. Os bens dos controladores e dos ex-administradores do Prosper também ficam indisponíveis a partir desta sexta-feira.

Do total de depósitos à vista e a prazo do Banco Cruzeiro do Sul e do Banco Prosper, cerca de 35% e de 60%, respectivamente, contam com garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.