Clique e assine a partir de 8,90/mês

Banco Central deve manter Selic em 11% nesta quarta

O Comitê de Política Monetária (Copom) encerra reunião sobre decisão de política monetária hoje; mercado espera manutenção dos juros, mas uma sinalização para o futuro

Por Da Redação - 29 out 2014, 12h04

Na penúltima reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, a taxa básica de juros, a Selic, deve ser mantida no patamar atual, de 11% ao ano. O mercado prevê de forma unânime que o BC não mexa na política de juros neste primeiro encontro após o fim do período eleitoral. Há ainda a expectativa de que a autoridade monetária faça alguma sinalização mais clara ao mercado sobre o futuro da política monetária.

Leia também:

Mercado espera manutenção da Selic em 11% nesta semana

Mantega: preços de combustíveis podem subir mesmo sem defasagem

Passado o período de escolha do presidente da República, membros do mercado financeiro esperam sinalizações do governo federal sobre a condução da política macroeconômica. Entre os principais anúncios aguardados é o nome da nova equipe que vai compor o Ministério da Fazenda, a Secretaria do Tesouro e o próprio BC. As expectativas são de que o atual presidente da autoridade monetária, Alexandre Tombini, seja mantido no cargo. Já na Fazenda deve haver grandes mudanças, a começar pela saída do ministro Guido Mantega, cuja demissão foi anunciada por Dilma Rousseff ainda durante o processo eleitoral.

Inflação – Embora as estimativas sejam de manutenção da taxa básica de juros para esta reunião, uma nova onda de altas no futuro não está descartada. A inflação segue preocupando o governo e o mercado, principalmente após ter estourado novamente o teto da meta em setembro, acumulando 6,75% em doze meses. Outro fator que deve contribuir para do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o reajuste dos preços dos combustíveis, que estão represados e devem ter alta em novembro. O Boletim Focus, feito com base em pesquisa com o mercado financeiro e divulgado semanalmente pelo BC, já mostra uma projeção da Selic em 11,50% em 2015.

Leia ainda:

Em discurso pós-eleições, Mantega consegue desanimar ainda mais o mercado

Arrecadação federal bate recorde em setembro, mas decepciona governo

Continua após a publicidade
Publicidade