Balanço da Petrobras vai voltar ao azul, segundo analistas

Se projeções se confirmarem, estatal reverterá perda de 1,246 bilhão de reais verificada de janeiro a março, e excederá em 294,9% o lucro do 1º tri de 2015

Por Da redação - 11 ago 2016, 11h29

Depois de três trimestres consecutivos de prejuízo, a Petrobras deve voltar a apresentar resultado líquido positivo no balanço referente ao segundo trimestre, a ser divulgado nesta quinta-feira. A média das projeções de seis instituições (Bank of America Merrill Lynch, Brasil Plural, Goldman Sachs, Itaú BBA, Morgan Stanley e UBS) aponta para lucro líquido de 2,097 bilhões de reais no período.

Se confirmado, a estatal reverterá a perda de 1,246 bilhão de reais verificada de janeiro a março, e excederá em 294,9% o lucro de 531 milhões de reais apurado no mesmo intervalo de 2015. Entre as justificativas para o otimismo, analistas citam o avanço das cotações do petróleo, câmbio, redução das despesas e crescimento da produção com o término de trabalhos de manutenção em algumas plataformas.

A expectativa média das previsões para receita líquida da petroleira entre abril e junho é de 71,073 bilhões de reais. O valor esperado supera em 1,04% os 70,337 bilhões de reais gerados no primeiro trimestre, mas fica 11,09% abaixo dos 79,943 bilhões de reais observados no segundo trimestre de 2015.

“Esperamos outro conjunto de resultados saudáveis para Petrobras”, escreveram Diego Mendes e André Hachem, analistas do Itaú BBA, em relatório. A expectativa, segundo eles, leva em conta a alta de 33% do preço médio do Brent na comparação trimestral, a valorização de 10% do real e a diluição dos custos com o aumento dos volumes.

Publicidade

Leia também:
Com queda de junho, serviços têm retração de 3,4% em um ano
Oi tem prejuízo líquido de R$ 656 milhões no 2º tri

O Brasil Plural projeta um crescimento de 8% na produção doméstica de petróleo em relação ao primeiro trimestre do ano. “A demanda interna por combustíveis também foi mais forte do que a antecipada, com significativa melhora em relação ao último trimestre, ainda que mais baixa do que em todo o ano passado”, destacou relatório do banco.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade