Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Balanço da Petrobras não impulsiona ações e Bovespa cai 1,82%

Investidores se animaram com resultados da empresa no início da sessão, mas ações entraram no vermelho após teleconferência com analistas

A Bovespa fechou em queda nesta segunda-feira, pressionada, sobretudo, pela queda dos papéis de bancos e da mineradora Vale. A sessão também foi marcada pela repercussão do balanço da Petrobras, que reportou um lucro líquido de 5,33 bilhões de reais no primeiro trimestre deste ano. O principal índice da bolsa paulista, o Ibovespa, caiu 1,82%, a 56.065 pontos. O giro financeiro atingiu 10,7 bilhões de reais.

A Vale terminou com as ações ordinárias (ON, com direito a voto) em baixa de quase 5%, enquanto as preferenciais (PN, sem direito a voto) caíram 4,55%. A queda foi conduzida pela retração do preço do minério de ferro do mercado à vista da China, que recuou mais de 3%, fechando abaixo 60 dólares a tonelada.

Itaú Unibanco e Bradesco tiveram queda de 2,66% e de 2,45%, respectivamente, após o jornal Valor Econômico noticiar que está “praticamente decidida” a elevação da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) dos bancos de 15% para 17%.

Leia mais:

Conselho autoriza Petrobras a emitir R$ 3 bi em debêntures

Ações da Petrobras operam voláteis após balanço

Petrobras – A repercussão positiva dos números da Petrobras deu suporte ao Ibovespa, principal índice, no começo do pregão, com as ações da estatal subindo cerca de 4%. Mas a queda no preço minério de ferro e a notícia sobre um possível aumento de tributos em bancos prevaleceram e desestimularam os negócios.

A deterioração acentuou-se com o encerramento do exercício de opções de ações, no início da tarde, que teve entre as suas séries mais líquidas justamente opções de compras de preferenciais da Petrobras. As ações da estatal passaram para o vermelho na segunda metade dos negócios. No fim da sessão, terminaram com recuo de 1,99% as preferenciais e queda de 2,72% as ordinárias.

Leia também:

Diretor da Petrobras não descarta novos reajustes para reduzir endividamento

Câmbio – O dólar fechou em alta nesta segunda-feira, acima de 3 reais, pressionado pela nova alta dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos e por expectativas de que o Banco Central brasileiro irá aproveitar o alívio recente no câmbio para reduzir sua intervenção no mercado. No fim da sessão, a divisa subiu 0,68%, a 3,0184 reais na venda, após fechar abaixo de 3 reais nas duas sessões anteriores. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 917 milhões de dólares.

(Com agência Reuters)