Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Avaliação do governo e otimismo com a economia caem

Para 77% dos agentes do mercado, ausência de uma política fiscal que funcione é principal entrave, revela pesquisa Genial/Quaest

Por Luana Zanobia
Atualizado em 22 nov 2023, 16h09 - Publicado em 22 nov 2023, 15h18

A análise do panorama político-econômico sob o governo do presidente Lula (PT) experimentou uma deterioração, segundo pesquisa da Genial/Quaest realizada com 100 gestores, economistas, analistas e tomadores de decisão das maiores casas de investimento do país. O quadro para a economia brasileira, conforme observado por esses profissionais, está gradativamente adquirindo contornos mais desfavoráveis, com a principal razão apontada sendo a ausência de uma política fiscal que funcione. Esse é o principal entrave para a economia para 77% dos participantes da pesquisa, divulgada nesta quarta-feira, 22.

Com a piora na perspectiva fiscal, todos os respondentes descartam a possibilidade de alcançar um déficit zero em 2024. Junto às incertezas fiscais, as avaliações do governo do presidente Lula e de seu ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também sofreram uma queda em novembro. A percepção negativa do governo no mercado atingiu 52%, em comparação com os 47% registrados em setembro. Aqueles que classificam a administração como regular constituem 39%, ante os 41% na pesquisa anterior. Quanto ao desempenho do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, 43% o avaliam positivamente, em contraste com os 46% registrados em setembro. Em julho, 65% dos entrevistados enxergavam de maneira positiva o trabalho de Haddad.

A preocupação com o controle da inflação é apontada por 56% dos entrevistados, enquanto 44% discordam dessa visão. A média de aprovação para o projeto da Reforma Tributária, aprovado no Senado e prestes a ser votado novamente na Câmara dos Deputados, é de 5.3 (em uma escala de 0 a 10). A pesquisa indica que 74% dos entrevistados consideram o Sistema Tributário atual melhor do que a proposta em questão, 12% acreditam ser equivalente e 14% a consideram pior. Além disso, 73% dos consultados acreditam que as modificações feitas no Senado ao texto do projeto da Reforma Tributária pioraram a proposta.

Em março, 78% acreditavam que a economia iria piorar. À medida que as principais medidas governamentais foram anunciadas, o otimismo cresceu, atingindo seu ápice em julho, quando a maioria (53%) previa uma melhora nos próximos 12 meses. Agora, no entanto, 55% dos entrevistados afirmaram acreditar que a economia piorará nos próximos 12 meses.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.