Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Aumenta diferença de salário entre homens e mulheres no fim do 1º mandato de Dilma

Índice Global de Desigualdade de Gênero de 2014 mostrou que Brasil perdeu nove posições, com aumento da diferença de salários entre homens e mulheres

Por Da Redação
28 out 2014, 10h55

Um levantamento do Fórum Econômico Mundial mostrou que a diferença de salários entre homens e mulheres no Brasil aumentou. No Índice Global de Desigualdade de Gênero deste ano, 2014, o Brasil perdeu nove posições, ao passar da 62ª colocação para 71ª entre 142 nações. Na América Latina, o Brasil está na 15ª posição entre as 25 nações no índice.

Segundo o estudo, a renda média das mulheres no Brasil é estimada em 10.820 dólares enquanto a dos homens, em 18.402 dólares, ou seja, o salários masculino é 70% maior do que o feminino. Isso, mesmo considerando que mais da metade das empresas brasileiras (59%) têm participação feminina em seu controle acionário. Em 2013, a renda média estimada era de 9.055 dólares para mulheres e 14.857 dólares para homens. No ano passado, os homens ganhavam 64% a mais que as mulheres, considerando esse salário médio, mas porcentual era menor do que o visto em 2014.

Leia mais:

Dilma fala em mudanças na economia – sem dizer quais

No day after, governo não sinaliza mudança e bolsa fecha no menor nível desde abril

De Dilma para Dilma: uma herança que pode se tornar uma bomba

O relatório leva em conta quatro variáveis principais: participação econômica (salários, oportunidade e liderança), educação (básica e avançada), capacitação política (representação nas estruturas de tomada de decisão) e saúde e sobrevivência (expectativa de vida e coeficiente sexual).

É interessante notar que o Brasil vai mal no campo que a presidente reeleita, Dilma Rousseff, se destacou: política. Na lista de participação política da mulher, o Brasil está no 74º lugar. No mercado de trabalho, o país caiu de 76ª para a posição 81ª em participação feminina.

O Brasil está no grupo de países que investiram na educação das mulheres, mas não removeram barreiras para a maior participação no mercado de trabalho. Nesse grupo estão também Japão, Chile e Emirados Árabes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.