Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Auditorias da CGU e do TCU apontam problemas no BC

Autoridade monetária possui 'deficiências' no controle dos próprios gastos

Por Da Redação 8 jan 2012, 08h21

Responsável por administrar a quantidade de dinheiro em circulação no país, o Banco Central (BC) possui “deficiências” no controle dos próprios gastos, que atingiram em 2010 um nível recorde de quase 2 bilhões de reais. Os problemas foram apontados pela Controladoria Geral da União (CGU) e pelo Tribunal de Contas da União (TCU), em auditorias feitas em 2010 e divulgadas no ano passado.

A CGU apontou “deficiências” e ressaltou que o controle interno “não é plenamente efetivo” sobre os contratos e convênios firmados pelo BC, a maioria deles sem licitação ou concorrência pública. A autoridade monetária alega sigilo em grande parte dos casos e nem sequer abre aos órgãos de controle algumas informações. Questionado, o BC informou que CGU e TCU não têm restrição de acesso aos dados.

“As eventuais controvérsias sobre sigilo são dirimidas por meio da interlocução entre a assessoria jurídica da CGU e a Procuradoria-Geral do Banco Central”, afirmou em nota. “Na prática, não tem havido prejuízo para os trabalhos da CGU em virtude de alegação de sigilo pelo Banco Central.”

As deficiências encontradas pela controladoria estão relacionadas “aos controles do banco quanto aos bens imóveis de uso especial, aos processos licitatórios, ao sistema de tecnologia da informação, aos convênios firmados”. Também foram localizados problemas com o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), administrado pelo BC, quanto à “elaboração de relatório circunstanciado e cálculo atuarial”.

Resposta – Em relatório, o Banco Central informou à CGU que a metodologia necessária para solucionar os problemas do Proagro “ainda se encontra em desenvolvimento”. As demais deficiências e falhas da instituição foram incluídas num documento conjunto entre CGU e BC para acompanhamento, chamado tecnicamente de Plano de Providências Permanente (PPP). O governo não divulga o conteúdo do documento.

Após a auditoria, o Banco Central firmou no ano passado contratos prevendo gastos 88,7% menores. Em 2010, foi contratado 1,979 bilhão de reais, o valor mais alto desde 2005, segundo análise feita pelo jornal O Estado de S. Paulo. Em 2011, os contratos somaram 223 milhões de reais.

Como justificativa para o recorde de gastos em 2010, o BC informou que desembolsou cerca de 700 milhões de reais para o lançamento da nova família de cédulas do real em 2010, promoveu reformas de edifícios e iniciou a construção de novos prédios no Rio de Janeiro, em Porto Alegre e em Salvador.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)