Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

AT&T fecha a compra da DirecTV por US$ 49 bilhões

Por Da Redação 24 jul 2015, 19h11

A AT&T acertou a aquisição da DirecTV por 49 bilhões de dólares, depois de mais de um ano de revisão regulatória – uma união que cria a maior companhia de televisão paga dos Estados Unidos. Para a AT&T, o acordo é um marco em seu esforço para se diversificar para além do serviço de telecomunicações, onde o crescimento desacelera, em meio à saturação no mercado e à competição.

Em comunicado, a AT&T afirmou que a DirecTV dará à empresa mais escala na televisão e também uma alavancagem para oferecer serviços de vídeo, inclusive para celulares. “Nós somos, agora, uma companhia fundamentalmente diferente”, disse o executivo-chefe da AT&T, Randall Stephenson, em comunicado à imprensa.

A Comissão Federal de Comunicações, que regula o setor, aprovou o acordo nesta sexta-feira, prevendo várias condições, incluindo que a AT&T expanda seu serviço de banda larga de fibra ótica e ofereça apenas um serviço de banda larga, para pessoas de baixa mais renda que cumpram certos critérios.

Para os analistas do mercado de telecomunicações americano, a aquisição da DirecTV é claramente uma tentativa da AT&T se reposicionar diante da expansão da Comcast, formando uma segunda companhia gigante no setor de televisão por assinatura e internet, com imensa base de clientes – sozinha a AT&T tem hoje 5,7 milhões de assinantes de TV paga nos EUA, aos quais se somarão mais de 20 milhões da DirecTV, sem contar outros 18 milhões na América Latina.

“A transação combina forças complementares para a criação de um novo competidor único com capacidades sem precedente em mobilidade, vídeo e serviços de banda larga”, disse a AT&T em comunicado. Segundo a AT&T, o negócio deverá provocar redução de custos, em consequência do compartilhamento das operações, de 1,6 bilhão de dólares ao ano após o terceiro ano da fusão.

A porção paga em dinheiro deve ser financiada pela AT&T por meio de uma combinação de caixa, venda de ativos não principais, linhas já contratadas de financiamento e transações oportunísticas no mercado de dívida.

A AT&T explicou ainda no comunicado que para facilitar o processo de aprovação do acordo junto às autoridades latino-americanas, a companhia teve de vender sua participação de 6 bilhões de dólares na América Móvil, controlada pelo bilionário mexicano Carlos Slim, e imediatamente deixar o conselho de diretores da empresa.

Segunda maior operadora de celular dos Estados Unidos, atrás apenas da Verizon, a AT&T possui 116 milhões de clientes em sua base de telefonia e internet móvel.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês