Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Atividade econômica cai em outubro e tem terceiro mês seguido de recuo

IBC-Br, a 'prévia do PIB' medida pelo Banco Central caiu 0,4% no mês, acima da expectativa dos analistas

Por Larissa Quintino Atualizado em 15 dez 2021, 11h17 - Publicado em 15 dez 2021, 09h28

A atividade econômica do Brasil caiu 0,4% em outubro deste ano, segundo o IBC-Br, medido pelo Banco Central. O resultado, divulgado nesta quarta-feira, 15, é a terceira queda mensal consecutiva, indicando a desaceleração da economia brasileira. O recuo foi mais intenso que os 0,2% esperados na mediana dos analistas do mercado financeiro.

O IBC-Br avalia a evolução da atividade com informações sobre o nível de atividade dos setores de indústria, comércio, serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

A queda de outubro vem em linha com indicadores de atividades divulgados pelo IBGE no mês, com recuos na indústria, no comércio, e nos serviços — seguindo a mesma tendência registrada em setembro. Considerando a taxa trimestral, o recuo é de 0,94%. Os resultados negativos têm sido influenciados pela inflação – tanto em insumos quanto para o consumidor. Com a incerteza fiscal maior após as manobras do governo para financiar o programa Auxílio Brasil, a inflação pressiona ainda mais a economia devido à desvalorização cambial. A PEC dos Precatórios, artifício usado para as manobras, foi aprovada pela Câmara dos Deputados em primeiro turno na terça-feira, e deve ter a votação concluída nos próximos dias.

No acumulado dos últimos doze meses, o IBC-Br aponta crescimento de 4,19%, muito devido à margem de comparação, já que em 2020 a economia brasileira sentiu o choque inicial da pandemia de Covid-19.

Metodologia

Apresentado mensalmente, o IBC-Br é considerado um termômetro do Produto Interno Bruto (PIB), que é divulgado trimestralmente pelo IBGE. Por ter formas diferentes de calcular a evolução da economia, nem sempre o IBC-Br e o PIB vêm com resultados semelhantes. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. O IBC-Br usa estimativa das áreas e também dos impostos. O resultado do PIB do terceiro trimestre trouxe recuo de 0,1%, enquanto o IBC-Br do mesmo período caiu 0,14%. No segundo trimestre, entretanto, o PIB recuou 0,4% (depois de revisão), enquanto o IBC-Br registrou alta de 0,12% entre abril, maio e junho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)