Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Atenções agora se voltam para Sarkozy

Por Da Redação 13 nov 2011, 08h00

Por Andrei Netto, correspondente

Paris – Desde 2007, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, trabalhou para construir uma nova imagem do poder: a de um “hiperpresidente”. Durante quatro anos, o chefe de Estado ofuscou seu primeiro-ministro, François Fillon. Agora, corre o risco de pagar o preço da exposição. Apontada nos mercados financeiros como a provável próxima vítima da crise, depois da Itália, a França tem eleições em abril de 2012, e todas as atenções se voltam para as chances do atual mandatário francês ser a nona cabeça cortada na Europa.

Depois de contagiar a Itália, ameaçando a sobrevivência da zona do euro e a estabilidade da economia mundial, a crise das dívidas soberanas está às portas de Paris. Na sexta-feira, o jornal Le Monde questionava em título: “Depois da Grécia e da Itália, a França?”. O temor se reforçou com o suposto “erro” da agência de rating Standard & Poor’s, que na quinta-feira publicou em seu site uma nota – depois desmentida – associando o país à palavra downgrade (rebaixamento).

O incidente confirmou aos mercados financeiros e ao meio político do país o que os investidores já preveem na Europa e nos Estados Unidos: após Washington, Paris deve ser a próxima a ver seus títulos de dívidas soberanas perderem o status de AAA. Para Jacques Attali, economista e ex-conselheiro do presidente socialista François Mitterrand, os sinais são evidentes: “Não nos iludamos. A dívida francesa já não é mais AAA”. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Continua após a publicidade
Publicidade