Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Até os chineses, quem diria, estão comprando menos bolsas Louis Vuitton

Não apenas as vendas nas lojas chinesas recuaram, como também os gastos de turistas asiáticos em mercados europeus

Por Da Redação 25 jul 2014, 17h25

O consumo voraz da população chinesa por grifes de luxo, em especial a Louis Vuitton, começa a dar os primeiros sinais de arrefecimento. O maior mercado do conglomerado LVMH, que detém a marca de alta costura, mostrou retração no segundo trimestre, segundo o balanço divulgado nesta sexta-feira pela companhia. Não apenas as vendas nas lojas chinesas recuaram, como também os gastos de turistas asiáticos em mercados europeus. As filas de chineses nas lojas da Louis Vuitton em Paris se tornaram, na última década, tão presentes na capital francesa quanto a própria Torre Eiffel.

O resultado é que a LVMH, que é dona ainda das marcas Fendi, Bulgari e Givenchy, divulgou faturamento e lucro abaixo do esperado. O crescimento das vendas da marca no segundo trimestre despencou para zero ante alta de 9% no trimestre anterior. Já no acumulado do primeiro semestre, o lucro do conglomerado alcançou 2,576 bilhões de euros (3,47 bilhões de dólares), uma queda de 5%.

Leia também:

Marc Jacobs anuncia saída da Louis Vuitton após 16 anos

Além de ter de lidar com a queda nas vendas decorrente do próprio desaquecimento da economia, a Louis Vuitton, que é a maior marca de luxo do grupo LVMH, também vem enfrentando dificuldades para combater uma crescente percepção entre consumidores de mercados emergentes de que foi popularizada demais – não só por sua grande adesão entre as camadas mais abastadas, mas também devido à ampla rede de falsificação. A marca vem tentando reconquistar consumidores e a exclusividade fortalecendo suas ofertas de ponta com produtos de couro e design sofisticado, mas os resultados ainda não aparecem no balanço.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)