Clique e assine a partir de 8,90/mês

As “bombas” que Dilma terá de desarmar na economia

A presidente herdou um país com bases sólidas, mas ainda com problemas. Seu principal desafio será a sustentabilidade do crescimento.

Por Beatriz Ferrari e Derick Almeida - 2 jan 2011, 08h20

A principal medida que precisa ser implementada é a reversão da tendência expansionista dos gastos públicos dos últimos dois anos

Quando Luiz Inácio Lula da Silva assumiu a presidência da República em 2003, os investidores ficaram apreensivos com o risco de uma mudança brusca na condução da economia. Para acalmar o mercado, o então presidente eleito colocou à frente do Banco Central – que zela pelo cumprimento das metas de inflação – um ex-executivo do mercado financeiro, Henrique Meirelles. Com o passar dos meses, ficou claro que estava mantido o compromisso com a estabilidade, já expresso na “Carta ao Povo Brasileiro” de 2002. A ida de Antônio Palocci para o ministério da Fazenda também se provou uma escolha acertada.

Oito anos depois, os desafios que Dilma Rousseff enfrentará são bem diferentes (veja infográfico). O país amadureceu, engatando uma trajetória de expansão do PIB, associado a melhorias na renda e no emprego. Agora, o que está em jogo é a sustentabilidade deste crescimento.

A economia entra em 2011 com inflação alta, perspectivas de desaceleração do PIB, uma possível elevação de juros já no começo do ano e incertezas no cenário externo. A presidente terá de lidar com a hercúlea missão de construir um país moderno, capaz de sediar os eventos esportivos de 2014 e 2016, ao mesmo tempo em que aperta o cinto das contas do governo e melhora a qualidade do endividamento público.

O caminho das pedras passa por um corte de gastos sério, principalmente com pessoal e custeio da máquina pública – revertendo a tendência expansionista dos últimos dois anos -, criando condições para desacelerar a inflação e permitindo a acomodação.

Também é preciso aumentar os investimentos em infraestrutura para que o país cresça sem solavancos e sem gargalos. Espera-se da presidente, por fim, a coragem para enfrentar reformas necessárias, como a da pesada e complexa estrutura tributária e da Previdência.

Se Dilma conseguir desarmar essas “bombas” (veja infográfico), deixará para seu sucessor um país forte, funcional e próspero.

Continua após a publicidade
Publicidade